A EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS TRABALHADORES NA REGIÃO METROPOLITANA DO RIO DE JANEIRO: DESTITUIÇÃO DE UM DIREITO

Tiago Dionisio da Silva

Resumo


Neste texto, analisa-se e defende-se a Educação de Jovens e Adultos trabalhadores sob as perspectivas dos Direitos Humanos. Este artigo tem por objetivo geral apresentar parte dos resultados do Projeto “Rio Democracia: os 30 anos da Constituição e uma agenda para o desenvolvimento sustentável”, realizado pelo Observatório de Favelas, com financiamento da Petrobrás. O referido projeto realizou mapeamentos, inventários e avaliações (desafios e perspectivas) das políticas públicas e de algumas práticas sociais nas áreas de Educação, Trabalho e Renda, Assistência Social e Saúde, Segurança, Moradia e Cultura, em nove municípios da região metropolitana do Rio de Janeiro, após três décadas da promulgação da Constituição de 1988. Este trabalho, realizado por uma equipe interdisciplinar composta por professores e graduados de diversas instituições públicas de ensino superior, efetuou a análise sob o tripé Políticas Públicas, Território e Direitos Humanos, tendo como foco os espaços populares. Quanto à abordagem metodológica, fez-se uso de pesquisa bibliográfica, documental, trabalho de campo e entrevistas semiestruturadas. Dentre os resultados, foi realizado um diagnóstico das políticas públicas citadas e a construção de uma agenda propositiva, e concluiu-se que a Educação de Jovens e Adultos, enquanto uma modalidade de ensino, ainda se encontra fragilizada na consolidação de seu caráter de política pública, de direito social e de luta pela construção do reconhecimento da especificidade dos sujeitos atendido por ela.

Palavras-chave: Educação de Jovens e Adultos. Direitos humanos.  Política pública.  Região metropolitana do Rio de Janeiro. Espaços populares.


Palavras-chave


Educação de Jovens e Adultos. Direitos Humanos. Política Pública. Região Metropolitana do Rio de Janeiro. Espaços Populares.

Texto completo:

PDF

Referências


ANDRADE, Eliane Ribeiro; PAIVA, Jane. Políticas públicas de direito à educação de jovens e adultos no RJ: estudos da região metropolitana. In: REUNIÃO ANUAL DA ANPED SOCIEDADE, DEMOCRACIA E EDUCAÇÃO: QUAL UNIVERSIDADE?, 27., 2004, Caxambu/MG. Anais [...]. 2004. p. 1-18. Disponível em: http://27reuniao.anped.org.br/gt18/t186.pdf. Acesso em: 18 out. 2019.

ARROYO, Miguel Gonzalez. A pedagogia multirracial popular e o sistema escolar. In: GOMES, Nilma Lino (org.). Um olhar além das fronteiras: educação e relações raciais. Belo Horizonte: Autêntica, 2007. p. 111-130.

ARROYO, Miguel Gonzalez. Juventude, produção cultural e Educação de Jovens e Adultos. In: SOARES, Leôncio; GIOVANETTI, Maria Amélia; GOMES, Nilma Lino Gomes (orgs.). Diálogos na educação de jovens e adultos. 4. ed. Belo Horizonte: Autêntica, 2011, pp. 19-50.

BOBBIO, Norberto. A era dos direitos. Tradução Carlos Nelson Coutinho. 4. reimpressão. Rio de Janeiro: Campus, 1992. 217 p.

BRASIL. Constituição da República Federativa do Brasil. Brasília: Senado, 1988.

BRASIL. Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional. 20 de dezembro de 1996, nº 9.394/96. Apresentação por Carlos Roberto Jamil Cury. 6. ed. Rio de Janeiro: DP&A, 2003. 176 p.

CIAVATTA, Maria. O conhecimento histórico e o problema teórico-metodológico das mediações. In: FRIGOTTO, Gaudêncio; CIAVATTA, Maria (org.). Teoria e educação no labirinto do capital. 2. ed. Rio de Janeiro; Petrópolis: Vozes, 2001. p. 121-144.

FONSECA, João José Saraiva. Metodologia da pesquisa científica. Fortaleza: UEC, 2002. Apostila.

GADOTTI, Moacir. Educação de adultos como direito humano. Revista EJA em Debate, Florianópolis, SC, v. 2, n. 2. p. 12-29, jul. 2013.

HELFREICH, Francine. Famílias de classes populares e a escola: caminhos para a garantia de direitos e possibilidades de participação. In: SILVEIRA, Maria Lídia Souza da (org.). Educação Popular e Leituras de Mundo. Rio de Janeiro: UFRJ, 2007, v. 01, p. 43-54.

IRELAND, Timothy Denis. Vinte anos de Educação para Todos (1990-2009): um balanço da educação de jovens e adultos no cenário internacional. Em Aberto, Brasília, v. 22, n.82, p. 43-57, nov. 2009.

IRELAND, Timothy Denis. Revisitando a CONFINTEA: sessenta anos de defesa e promoção da educação de adultos. Revista Brasileira de Educação de Jovens e Adultos, Salvador, BA, v. 1, p. 14-28, dez. 2013.

MEKSENAS, Paulo. Cidadania, Poder e Comunicação. São Paulo: Cortez, 2002. 237 p.

MINAYO, Maria Cecília de Souza. Pesquisa social: teoria, método e criatividade. Rio de Janeiro: Vozes, 2007. 109 p.

PAIVA, Jane. Tramando concepções e sentidos para redizer o direito à educação de jovens e adultos. Revista Brasileira de Educação, Rio de Janeiro, v. 11, n. 33, p. 519-566, set./dez. 2006.

PAIVA, Jane; MACHADO, Maria Margarida; IRELAND, Timothy (org.). Educação de jovens e adultos: memória contemporânea, 1996-2004. Brasília: UNESCO, MEC, 2004, 209 p.

SANTOS, Milton. A Natureza do Espaço: técnica e tempo. Razão e emoção. 2. ed. São Paulo: Edusp, 2002. 259 p.

UNESCO. Declaração mundial sobre educação para todos: plano de ação para satisfazer as necessidades básicas de aprendizagem. 1990. Disponível em: http://dhnet.org.br/direitos/sip/onueducar/todos.htm. Acesso em: 05 out. 2019.

UNESCO. Conferência Internacional de Educação de Adultos (V: 1997, Hamburgo, Alemanha). Declaração de Hamburgo, Agenda para o Futuro. Brasília: SESI/UNESCO, 1999.

UNESCO. Educação e aprendizagem para todos: olhares dos cinco continentes. Brasília: Unesco/MEC, 2009.

UNESCO. UNESCO: 758 milhões de adultos não sabem ler nem escrever frases simples. 16 fev. 2017. Disponível em: https://brasil.un.org/pt-br/75776-unesco-758-milhoes-de-adultos-nao-sabem-ler-nem-escrever-frases-simples. Acesso: 05 out. 2019

VENTURA, Jaqueline. A trajetória histórica da educação de jovens e adultos trabalhadores. In: CIAVATTA, Maria; TIRIBA, Lia (org.). Trabalho e Educação de Jovens e Adultos. Brasília: Liber Livro; EdUFF, 2011. p. 57-97.

VENTURA, Jaqueline. As relações entre os sentidos do trabalho e a educação de jovens e adultos trabalhadores. In: SERRA, Ênio; MOURA, Ana Paula (org.). Educação de Jovens e Adultos em Debate. Jundiaí: Paco Editorial, 2017, v. 1, p. 143-164.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.




A Revista EJA em Debate está indexada ao Livre!, ao SEER, à Sumários de Revistas Brasileiras e ao Periódicos CAPES

ISSN ELETRÔNICO 2317-1839                     ISSN IMPRESSO - 2316-4417

Qualis: B3