A ATUAÇÃO DO PEDAGOGO NA EJA: SABERES, FAZERES E PRÁTICAS

Roquel Rodrigues de Lima Simas, Ricardo Antunes de Sá

Resumo


Este artigo apresenta resultados preliminares de um estudo exploratório realizado em 2016/2017 junto apedagogos que atuam na Educação de Jovens e Adultos (EJA) Fase I, em escolas públicas da Região Metropolitana de Curitiba (RMC). Este estudo busca identificar saberes, fazeres e práticas de pedagogos nessa modalidade, a partir de suas narrativas. A pesquisa se inscreve numa abordagem qualitativa (ANDRÉ, 1995; OLIVEIRA, 2012), com aplicação de questionários. Os autores Haddad (2001) e Di Pierro, Jóia e Ribeiro (2001) respaldam a revisão sobre a EJA. Os autores Sá (1997, 2000, 2012), Libâneo (2002, 2004, 2012), Pimenta (2002) e Franco (2012) fundamentam estudos sobre a Pedagogia. Segundo os autores citados há lacunas no trato de tais especificidades na formação inicial e continuada de pedagogos e docentes, implicando ao pedagogo da EJA um papel formativo na organização do trabalho pedagógico. A investigação procurou desvelar saberes pedagógicos e científicos, bem como, conhecimentos específicos sobre a EJA. Explicitou questões sobre a formação inicial do pedagogo para atuar na EJA; Apontou a pesquisa para a necessidade de formação continuada do pedagogo que atua na EJA; Sobre a importância da formação continuada articulada e organizada pelo pedagogo junto aos professores que atuam na EJA; Por fim, a investigação procurou catalogar os saberes, fazeres e práticas do pedagogo que vem atuam na modalidade de EJA na rede pública de ensino.


Palavras-chave


Educação de Jovens e Adultos. Práticas pedagógicas. Saberes.

Texto completo:

PDF

Referências


ANDRÉ, M. E. D. A. Etnografia da prática escolar. Campinas: Papirus, 1995.

ARROYO, M. Educação de Jovens e Adultos: um campo de direitos e de responsabilidade pública. In: GIOVANETTI, M. A.; GOMES, N. L.; SOARES, L. (Org.). Diálogos na Educação de Jovens e Adultos. Belo Horizonte, MG: Autêntica, 2006. p.19-50.

BRASIL. Lei n. 9.394, de 20 de dezembro de 1996. Estabelece as diretrizes e bases da educação nacional. Brasília: Diário Oficial da União, 1996.

______. Ministério da Educação. Conselho Nacional de Educação. Parecer CEB 011/2000. Diretrizes curriculares para a Educação de Jovens e Adultos. Brasília, 2000.

______. Lei n. 13.005, de 25 de junho de 2014. Aprova o Plano Nacional de Educação (PNE). Brasília: Câmara dos Deputados, Edição Câmara, 2015.

______. Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios: síntese de indicadores, 2015. Rio de Janeiro: IBGE, 2015.

CASTRO, R. V.; SANCHO, A. V.; GUIMARÃES, P. A. Mutações no campo da educação de adultos. Sobre os caminhos da formação dos educadores. Educar, Curitiba, n. 29, p. 63-81, 2007.

COMISSÃO EUROPEIA. Documento de trabalho relativo a um memorando sobre educação e formação ao longo da vida. 2000.

DI PIERRO, M.C.; JOIA, O.; RIBEIRO, V. M. Visões da Educação de Jovens e Adultos no Brasil. Caderno Cedes, Campinas, SP, n. 55, p. 58-77, 2001.

FRANCO, M. A. S. Para um currículo de formação de pedagogos: indicativos. In: PIMENTA, S. G. et al.(Org.) Pedagogia e pedagogos: caminhos e perspectivas. São Paulo: Cortez, 2002. p.99-127.

______. Pedagogia e prática docente. São Paulo: Cortez, 2012. 

GATTI, B. A. Algumas considerações sobre procedimentos metodológicos nas pesquisas educacionais. ECCOS, Revista Científica, n.1, p. 17-41,1999.

HADDAD, S. A Educação continuada e as políticas públicas no Brasil. In: RIBEIRO, V. M. M. Educação de jovens e adultos: novos leitores, novas leituras. Campinas: Mercado das Letras: Ação Educativa, 2001. p. 191-199,

HADDAD, S.; DI PIERRO, M. C. Escolarização de Jovens e Adultos. Revista Brasileira de Educação, São Paulo, n. 14, p. 108 - 130, 2000.

LIBÂNEO. J.C. Pedagogia e Pedagogos, para quê? 10. ed. São Paulo: Cortez, 2002.

______. Organização e Gestão da Escola: Teoria e Prática, 5. ed. Goiânia, Alternativa, 2004.

______. Identidade da pedagogia e identidade do pedagogo. In: BRABO, T. S. A.i M., CORDEIRO, A.P.; MILANEZ, S. G. C. (orgs.). Formação da pedagoga e do pedagogo: pressupostos e perspectivas. Marília: Oficina Universitária; São Paulo: Cultura Acadêmica, 2012, p. 11-34.

LIMA, L. C. (Coord.) Documentos preparatórios III. Reorganização do subsistema de educação de adultos. Lisboa: Ministério da Educação/Comissão de Reforma do Sistema Educativo, 1988.

OLIVEIRA, M. K. Jovens e adultos como sujeitos de conhecimento e aprendizagem. Revista Brasileira de Educação, São Paulo, n. 12, p. 59-73, set./out./nov./dez. 1999.

______.O estágio na formação de professores: unidade teoria e prática? São Paulo: Cortez, 2001.

OLIVEIRA, M. M. Como fazer pesquisa qualitativa. 4. ed. Petrópolis: Vozes, 2012.

PERRENOUD, P. Práticas pedagógicas, profissão docente e formação: perspectivas sociológicas. Lisboa: Dom Quixote, 1993.

PLACCO, V. M. N. de S.; ALMEIDA, L. R. de; SOUZA, V. L. T. de (Coord.). O Coordenador Pedagógico e a formação de professores: intenções, tensões e contradições. Fundação Carlos Chagas. Estudos & pesquisas Educacionais. São Paulo,, p. 227-288, abr. 2011.

PIMENTA, S. G. (Org.) Pedagogia e pedagogos: caminhos e perspectivas. São Paulo: Cortez, 2002.

SÁ, R. A. de  A Construção do Pedagogo – Superando a Fragmentação do Saber –umaproposta de formação. 1997. 155 f. Dissertação (Mestrado em Educação) ‐ Programa de Pósraduação em Educação, Universidade Federal do Paraná. Curitiba: Universidade Federal do Paraná, 1997.

______.Pedagogia: identidade e formação o trabalho pedagógico nos processos educativos não-escolares. Educ. rev. [online], 2000, n.16, p.181-191.

______. A cientificidade da pedagogia e os pressupostos do pensamento complexo.  Educativa (Goiânia. Online), v. 15, p. 147‐164, 2012.

SANTOS SILVA, A. Educação de Adultos: Educação para o desenvolvimento. Porto: Edições Asa, 1990.

TULIO, J.M.C.F. Identidade do pedagogo dos anos iniciais do ensino fundamental na Escola Pública. 186 f. Dissertação (Mestrado em Educação) – Setor de Ciências Humanas da Universidade Federal do Paraná, Universidade Federal do Paraná.Curitiba, 2015.

UNESCO. Documento Nacional Preparatório a VI Conferência Internacional de Educação de Adultos Brasília: CONFITEA, 2010.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.




A Revista EJA em Debate está indexada ao Livre!, ao SEER, à Sumários de Revistas Brasileiras e ao Periódicos CAPES

ISSN ELETRÔNICO 2317-1839                     ISSN IMPRESSO - 2316-4417

Qualis: B3