O fazer extensionista é um ato de resistência

Autores

DOI:

https://doi.org/10.35700/ca801-123221

Palavras-chave:

extensão, ODS, meio ambiente, justiça social

Resumo

Em tempos de devastação social, política e sanitária, o fazer extensionista é um ato de resistência, é ‘(Re)existir’ junto a nossos discentes, proporcionando produtos extensionistas de qualidade, na cooperação de uma sociedade mais justa e solidária. Reflexões sobre a prática extensionista são ‘feixes de luz’ que esta editoria proporciona a seus leitores diante da kamanchaka que se estende por toda a América Latina. Na língua indígena aimará, 'kamanchaka' é a palavra utilizada para descrever um fenômeno climático muito comum nos países andinos – névoa escurecida, acompanhada de ventos e frio intenso. Em períodos de extremidade, o sistema de saúde local registra picos de angústia e depressão. Os sociólogos Fernando Calderón e Manuel Castells (2021) utilizam a kamanchaka como uma metáfora para analisar o mal estar social, político e sanitário que se intensifica em nossa região. A literatura qualificada é um bom instrumento para compreendermos o atual momento.

Biografia do Autor

Valdeci Reis, Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Santa Catarina - Campus Florianópolis Continente.

Doutor em Educação

Referências

BANCO MUNDIAL. World development report 2016: Digital dividends. Washington: Banco Mundial, 2016.

CALDERÓN. Fernando; CASTELLS, Manuel. A nova América Latina. Rio de Janeiro: Zahar, 2021.

COMITÊ GESTOR DA INTERNET NO BRASIL – CGI.br. Pesquisa sobre o uso das tecnologias de informação e comunicação no Brasil: domicílios brasileiros 2016. São Paulo: Comunicação Nic.br, 2017.

COMITÊ GESTOR DA INTERNET NO BRASIL – CGI.br. Pesquisa sobre o uso das tecnologias de informação e comunicação no Brasil: domicílios brasileiros 2017. São Paulo: Comunicação Nic.br, 2018.

COMITÊ GESTOR DA INTERNET NO BRASIL – CGI.br. Pesquisa sobre o uso das tecnologias de informação e comunicação no Brasil: domicílios brasileiros 2018. São Paulo: Comunicação Nic.br, 2019.

DI-FELICE, Mássimo. Cidadania Digital. São Paulo: Paulus, 2021.

IBICT. Guia do usuário do OJS 3. Brasília: IBICT, 2018.

ORGANIZAÇÃO DAS NAÇÕES UNIDAS. Objetivos do desenvolvimento Sustentável. ONU, 2015. Disponível em: https://brasil.un.org/pt-br/sdgs. Acesso em: 20 jun. 2021.

SANTAELLA, Lúcia. Comunicação ubíqua: repercussões na cultura e na educação. São Paulo: Paulus, 2013.

THE PUBLIC KNOWLEDGE PROJECT. Learning OJS 3.1: a visual guide to Open Journal Systems, Simon Fraser University, 2017. Disponível em: https://www.gitbook.com/download/pdf/book/pkp/ojs3?lang=en. Acesso em: 12 abr. 2021.

Downloads

Publicado

2021-08-28

Edição

Seção

Editorial