Mapeamento de abelhas-sem-ferrão em uma Área de Preservação Permanente do Sul do Brasil

Autores

  • Anderson José Antonietti Instituto Federal de Santa Catarina / Câmpus Jaraguá do Sul - Rau
  • Mário Cesar Sedrez Instituto Federal de Santa Catarina - Câmpus Florianópolis

DOI:

https://doi.org/10.35700/ca8042-512929

Palavras-chave:

abelhas Jataí, abelhas Mirim, ninhos-isca, meliponicultura, conservação da biodiversidade.

Resumo

Diversos cientistas ao redor do mundo têm alertado sobre a diminuição das populações de abelhas devido às ações antrópicas, como o desmatamento e o uso de agrotóxicos. Preocupados com essa realidade local e mundial, a Fundação Jaraguaense de Meio Ambiente (FUJAMA) solicitou a elaboração do presente estudo em 2018, o qual teve como objetivo mapear e identificar as espécies de abelhas-sem-ferrão (ASF), na comunidade do entorno e na Área de Preservação Permanente (APP) do IFSC Campus Jaraguá do Sul-Rau. Para isso, foram confeccionados e instalados ninhos- isca em troncos de árvores de grande porte, à sombra, na APP do câmpus e na área do entorno, em casa de vizinhos da comunidade, sendo inspecionados semanalmente. As espécies de ASF que nidificaram nas iscas foram identificadas e entre 45 e 60 dias, após as capturas, os enxames eram transferidos dos ninhos-isca para as caixas racionais, dando início à estruturação de um meliponário modelo. Foram identificadas três espécies de ASF no entorno, a Jataí (Tetragonisca angustula), a Mirim-guaçu-amarela (Plebeia remota rufis) e a Mirim-droryana (Plebeia droryana). A participação da FUJAMA e os resultados obtidos são um indicativo à realização de futuras ações de extensão, visando a conservação de ASF e a introdução da atividade de meliponicultura na comunidade.

http://dx.doi.org/10.35700/ca.2021.ano8n15.p42-51.2929

Biografia do Autor

Anderson José Antonietti, Instituto Federal de Santa Catarina / Câmpus Jaraguá do Sul - Rau

COORDENADORIA DO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM FABRICAÇÃO MECÂNICA / ÁREA DE SISTEMAS TÉRMICOS

Mário Cesar Sedrez, Instituto Federal de Santa Catarina - Câmpus Florianópolis

ASSESSORIA DE BIOLOGIA E QUIMICA / ÁREA DE BIOLOGIA

Referências

BALLIVIAN, José Manoel P. P. Abelhas nativas sem ferrão. São Leopoldo: Oikos, 2008.

BLOCHTEIN, Betina; et al. Manual de boas práticas para a criação e manejo racional de abelhas sem ferrão no RS: guaraipo, manduri e tubuna. Porto Alegre: Edipucrs, 2008.

Brasil. Ministério do Meio Ambiente. Resolução CONAMA nº 496, de 19 de agosto de 2020. Disponível em: <http://www2.mma.gov.br/port/conama/legiabre.cfm?codlegi=747 >. Acesso em: 16 abr. 2021.

CONTRERA, Felipe Andrés León; MENEZES, Cristiano; VENTURIERI, Giorgio Cristino. New horizons on stingless beekeeping (apidae, Meliponini). R. Bras. Zootec., v.40, p.48-51, 2011.

DE FREITAS, Paulo Vitor Divino Xavier de; et al. Noções básicas para criação de abelhas nativas: alimentação e multiplicação. Research, Society and Development, v. 9, n. 4, p. e44942815, 2020. DOI: http://dx.doi.org/10.33448/rsd-v9i4.2815

FONTES, Felipe Mendes. Importância Ecológica das Abelhas: Percepção de Estudantes de Escolas Rurais do Baixo São Francisco Sergipano. 2019. 79 p. Dissertação (Mestrado em Saúde e Ambiente) - Programa de Pós-Graduação em Saúde e Ambiente, Universidade Tiradentes, Aracajú, 2019.

IFSC. INSTITUTO FEDERAL DE SANTA CATARINA. Resolução CONSUP nº 61, de 12 de dezembro de 2016. Regulamenta as Atividades de Extensão no IFSC. 2016. Disponível em: <http://cs.ifsc.edu.br/portal/files/consup_resolucao61_2016_extensao.pdf>. Acesso em: 16 abr. 2021.

IMPERATRIZ-FONSECA, Vera Lúcia; et al. Desaparecimento das abelhas melíferas e a perspectiva do uso de outras abelhas na polinização. Documentos. Petrolina: Embrapa Semiárido, v. 249, p. 213-226, 2012.

MOURE, Jesus Santiago; URBAN, Danúncia; MELO, Gabriel Augusto Rodrigues de. Ed. 2012. Catalogue of Bees (Hymenoptera, Apoidea) in the Neotropical Region – online version. Disponível em: <http://moure.cria.org.br/catalogue>.

OLIVEIRA, Ricardo Caliari; et al. Como obter enxames de abelhas sem ferrão na natureza. Mensagem Doce, v. 100, p. 1-6, 2009.

PRONÍ, Edson Aparecido. Biodiversidade de abelhas indígenas sem ferrão (Hymenoptera: Apidae: Meliponinae) na bacia do rio Tibagi, Estado do Paraná, Brasil. Arquivos de Ciências Veterinárias e Zoologia da UNIPAR, v. 3, n. 2, 2000.

RODRIGUES, Arnaldo dos Santos. Até quando o etnoconhecimento sobre as abelhas sem ferrão (Hymenoptera, Apidae, Meliponinae) será transmitido entre gerações pelos índios Guarani M’byá da Aldeia Morro da Saudade, localizada na cidade de São Paulo, Estado de São Paulo, Brasil? Sitientibus Ser. Ciênc. Biol., v. 6, n. 4, p. 343-350, 2006.

TAVARES, Mara Garcia; et al. Abelhas sem ferrão: educação para conservação–interação ensino-pesquisa-extensão voltada para o ensino fundamental. Revista Brasileira de Extensão Universitária, v. 7, n. 2, p. 113-120, 2016. DOI: https://doi.org/10.36661/2358-0399.2016v7i2.3128

VENTURIERI, Giorgio Cristino. Criação de Abelhas Indígenas sem Ferrão. Belém, PA: Embrapa Amazônia Oriental, 2008.

VENTURIERI, Giorgio Cristino. Meliponicultura I: caixa racional de criação. Belém: Embrapa Amazônia Oriental, 2004.

VENTURIERI, Giorgio Cristino.; CONTRERA, Felipe Andrés León. Vantagens e limitações do uso de abrigos individuais e comunitários para a abelha indígena sem ferrão uruçu-amarela (Melipona flavolineata). Embrapa Amazônia Oriental, 2008.

VILLAS-BÔAS, Jerônimo. Manual Tecnológico: mel de abelhas sem ferrão. Brasília: Instituto Sociedade, População e Natureza, 2012.

Downloads

Publicado

2021-08-28 — Atualizado em 2021-10-08

Versões

Edição

Seção

Artigos