A EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS NA MODALIDADE TÉCNICA INTEGRADA AO ENSINO MÉDIO (PROEJA) EM MEIO AMBIENTE: CONQUISTAS E DESAFIOS EM APRENDIZAGENS SIGNIFICATIVAS

Autores

  • JOÃO CARLOS DE OLIVEIRA ESCOLA TÉCNICA DE SAÚDE - UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA
  • Nubia Aparecida Martins Soares Escola Estadual de Uberlândia (EEU/MUSEU)

Palavras-chave:

EJA/PROEJA, Questões Ambientais, Práticas Educativas.

Resumo

Este trabalho trata de práticas educativas significativas com estudantes do Ensino Médio do Curso Técnico em Meio Ambiente da Escola Técnica de Saúde (ESTES) da Universidade Federal de Uberlândia (UFU) que estudam na Escola Estadual de Uberlândia – MG, na modalidade Educação Profissional Integrada à Educação Básica – Educação de Jovens e Adultos (PROEJA – Meio Ambiente). O objetivo desta pesquisa é apresentar as nossas experiências sobre as conquistas e desafios em aprendizagens significativas com os estudantes. A metodologia utilizada está baseada no Modelo Andragógico. Durante as diversas atividades, ficou evidente que os procedimentos de ensino-aprendizagem, dependendo de quem está com os estudantes, aprisionam, adestram e/ou libertam dentro ou fora das escolas. As conquistas e os desafios são sobre o que, por que e como se ensina, o que se deveria ensinar e o que precisa ser ensinado sobre questões ambientais. Conclui-se que não se pode ignorar o caráter ideológico dos conteúdos, o grau de dificuldades de aprendizagens, que podem ser ressignificados por meio do Modelo Andragógico.

Palavras-chave: EJA/PROEJA. Questões Ambientais. Práticas Educativas.

Biografia do Autor

JOÃO CARLOS DE OLIVEIRA, ESCOLA TÉCNICA DE SAÚDE - UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA

Professor - ESCOLA TÉCNICA DE SAÚDE (ESTES), da Universidade Federal de Uberlândia (UFU). DOUTOR  e MESTRE em GEOGRAFIA - PROGRAMA DE PÓS GRADUAÇÃO EM GEOGRAFIA - INSTITUTO DE GEOGRAFIA - Universidade Federal de Uberlândia (IG/UFU). ESPECIALIZAÇÃO EM: Ciências do Ambiente pela Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais (PUC/MG), Planejamento Urbano pela Universidade de Brasília (UnB/DF). Graduado em Estudos Sociais e Geografia (1985) pela Universidade Federal de Uberlândia. Professor na Área de "Saúde Ambiental" nos Cursos Técnicos da ESCOLA TÉCNICA DE SAÚDE (ESTES/UFU). Atua nas áreas de: Educação Ambiental, Educação de Jovens e Adultos, Dengue, Mobilização Social, Vigilância em Saúde e Educação Popular em Saúde, Geografia da Saúde/Médica. Professor do Mestrado Profissional - Saúde Ambiental e Saúde do Trabalhador (Instituto de Geografia - Universidade Federal de Uberlândia). Membro (Coordenação de Educação Básica e Técnica) do Núcleo de Estudos AfroBrasileiros (NEAB) da Universidade Federal de Uberlândia. Membro nas Comissões de Heteroidentificação de Cotas Raciais (denúncias, ingresso na graduação e serviço público - concursos para servidores efetivos - técnicos administrativos e docentes) da Universidade Federal de Uberlândia.

Nubia Aparecida Martins Soares, Escola Estadual de Uberlândia (EEU/MUSEU)

Especialização em Língua Portuguesa, Redação e Oratória

Profa de Lingua Portuguesa

Referências

BRASIL. LEI N° 9.795 DE 27 DE ABRIL DE 1999. Estabelece as diretrizes e bases da Politica Nacional de Educação Ambiental. Diário Oficial [da República Federativa do Brasil], Brasília (DF): Ministério do Meio Ambiente, 1999. Disponível <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/l9795.htm> Acesso: março/2010.

BRASIL. SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA Programa de Integração da Educação Profissional ao Ensino Médio na Modalidade de Educação de Jovens e Adultos – PROEJA, DOCUMENTO BASE. Brasilia: Ministério da Educação. 2004. Disponível <http://portal.mec.gov.br/arquivos/pdf/acs_proeja.pdf> Acesso: novembro/2011.

BRÜGGER, Paula. Educação ou adestramento ambiental? SC: Letras Contemporâneas, 1994.

FERNÁNDEZ, Alicia. O saber em jogo: a psicopedagogia propiciando autorias de pensamento. Tradução: Neusa Kern Hickel. Porto Alegre: Artmed, 2001a.

FERNÁNDEZ, Alicia. Os idiomas do aprendente: análise das modalidades ensinantes com família, escolas e meios de comunicação. Tradução: Neusa Kern Hickel. Porto Alegre: Artmed, 2001b.

FREIRE, Paulo. Conscientização: teoria e prática da libertação, uma introdução ao pensamento de Paulo Freire. SP: Moraes, 1980.

FREIRE, Paulo. Pedagogia do oprimido. RJ: Paz e Terra, 2005.

GALLO, Sílvio. Transversalidade e educação: pensando uma educação não-disciplinar. In: ALVES, Nilda; GARCÍA, Regina (Orgs.). O sentido da escola. Rio de Janeiro, 1999. p. 17-41.

IAVELBERG, Rosa. O desenho cultivado da criança prática e formação docente. Porto Alegre: Zoulk, 2008.

MARTINS, Rose Mary Kern. Pedagogia e andragogia na construção da educação de jovens e adultos. Revista de Educação Popular, v. 12, n. 1. Uberlândia: Universidade Federal de Uberlândia. Pró Reitoria de Extensão, Cultura e Assuntos Estudantis, 2013, p. 143-153.

MINAYO, Maria Cecília de Souza (orga.). Pesquisa social: teoria, método e criatividade. Petrópolis, 1994.

MINAYO, Maria Cecília de Souza. O desafio do conhecimento: pesquisa qualitativa em saúde. 12ª Ed. SP: Hucitec, 2011.

NOGUEIRA, Dayane; TONUS, Mirna. Fortalecendo as bases teóricas para uma pesquisa sobre educomunicação e meio ambiente. XXXIII Congresso Brasileiro de Ciências da Comunicação. Caxias do Sul, RS, 2-6 set. 2010. Disponível <http://www.intercom.org.br/papers/nacionais/2010/resumos/R5-0571-1.pdf>. Acesso: 25/02/2011.

RESENDE, Márcia Spyer. A geografia do aluno trabalhador. SP: Loyola, 1986.

STUTZ, Beatriz Lemos. Técnico em enfermagem no município de Uberlândia: a construção histórica de uma profissão e a primeira instituição escolar. Tese. Universidade Federal de Uberlândia, Uberlândia, 2009.

Publicado

2021-12-30

Edição

Seção

TEORIAS E PRÁTICAS PEDAGÓGICAS