AULA PRÁTICA: UM ESTÍMULO PARA O DESENVOLVIMENTO DA INTERATIVIDADE INTELECTUAL, FÍSICA E SOCIAL DOS ESTUDANTES

Michele Rosset, Margarete dos Santos, Gabriel Mathias Carneiro Leão

Resumo


A aula prática é considerada uma atividade pedagógica facilitadora do processo de ensino-aprendizagem na educação profissional. O objetivo deste trabalho foi avaliar a aula prática realizada em laboratório como estratégia didática na educação profissional de jovens e adultos (PROEJA). A atividade foi desenvolvida junto aos estudantes do curso Técnico em Agroindústria do Instituto Federal do Paraná, campus Colombo. Inicialmente, os conceitos teóricos de Testes Afetivos, abordados na disciplina de Análise Sensorial de Alimentos, foram ministrados em aula expositiva. Em seguida, foi realizada uma aula prática no Laboratório Multidisciplinar do campus. Durante o desenvolvimento da atividade, além de atingirem os objetivos de aprendizagem propostos, os estudantes demonstraram comprometimento e responsabilidade. As aulas práticas permitem que os estudantes trabalhem em grupo, colaborativamente, preparando os sujeitos para os desafios da vida profissional. A execução desta prática pedagógica contribuiu de forma efetiva com as interações professor-estudante e estudante-estudante e maior interação entre teoria e prática.

Palavras-chave: Prática pedagógica. Metodologia de ensino. PROEJA. Análise Sensorial.


Palavras-chave


Prática pedagógica, Metodologia de ensino, PROEJA, Análise Sensorial

Texto completo:

PDF

Referências


ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS. ABNT NBR ISSO 6658: Análise sensorial – Metodologia – Orientações gerais. São Paulo: ABNT, 2014.

ANDRADE, Marcelo Leandro Feitosa de; MASSABNI, Vânia Galindo. O desenvolvimento de atividades práticas na escola: um desafio para os professores de ciências. Ciência e Educação, Bauru, v. 17, n. 4, p. 835-854, 2011.

BASSOLI, Fernanda. Atividades práticas e o ensino-aprendizagem de ciência(s): mitos, tendências e distorções. Ciência e Educação, Bauru, v. 20, n. 3, p. 579-593, 2014.

BORTOLUZZI, Luan Zimmermann; COUTINHO, Renato Xavier. Atividades Práticas no Ensino de Biologia para o Proeja. EJA em Debate, Florianópolis, v. 7, n. 11, 2018.

BRASIL. Conselho Nacional de Educação. Câmara de Educação Básica. Parecer nº 11, de 10 de maio de 2000. Dispõe sobre as Diretrizes Curriculares Nacionais para a Educação de Jovens e Adultos. Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil, Brasília, DF, 9 jun. 2000.

BRASIL. Decreto nº 5.478, de 24 de junho de 2005. Institui, no âmbito das instituições federais de educação tecnológica, o Programa de Integração da Educação Profissional ao Ensino Médio na Modalidade de Educação de Jovens e Adultos – PROEJA. Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil, Brasília, DF, 24 jun. 2005.

BRASIL. Decreto nº 5.840, de 13 de julho de 2006. Institui o Programa Nacional de Integração da Educação Profissional com a Educação Básica na Modalidade de Educação de Jovens e Adultos – PROEJA, e dá outras providências. Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil, Brasília, DF, 14 jul. 2006.

BRASIL, Ministério da Educação. PROEJA (Programa Nacional de Integração da Educação Profissional com a Educação Básica na Modalidade de Educação de Jovens e Adultos). Documento Base. Brasília, agosto de 2007. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/setec/arquivos/pdf2/proeja_medio.pdf. Acesso em: 7 mai. 2020.

CAMPOS, Maria Cristina da Cunha Campos; NIGRO, Rogério Gonçalves. Didática de ciências: o ensino-aprendizagem como investigação. São Paulo: FTD, 1999.

DANTAS, Aline Cristina de Lima. O Proeja como Estratégia Política para Efetivação do Direito à Educação de Jovens e Adultos. In: III COLÓQUIO NACIONAL- A PRODUÇÃO DO CONHECIMENTO EM EDUCAÇÃO PROFISSIONAL, 2015, Natal. Anais [...]. Natal: IFRN, 2015, p. 1-10. Disponível em: https://ead.ifrn.edu.br/coloquio/publicacoes/anais-2015/. Acesso em: 7 maio 2020.

DUTCOSKY, Silvia Deboni. Análise Sensorial de Alimentos. 4. ed. Curitiba: Champagnat, 2013.

FRATA, Marcela Tostes. Busca da Informação: Sucos de Laranja: Abordagem Química, Física, Sensorial e Avaliação de Embalagens. 2006. 228 f. Tese (Doutorado em Ciência de Alimentos) – Universidade Estadual de Londrina, Londrina, 2006.

FREITAS, Samylla Tassia Ferreira et al. Ensino ao Proeja por meio de Aulas Práticas: Minicurso “Fatores que Afetam a Fotossíntese”. Itinerarius Reflectionis, Jataí, v. 14, n. 01, p. 01-13, 2018.

IFPR. Resolução nº 50 de 14 de julho de 2017. Estabelece as normas de avaliação dos processos de ensino-aprendizagem no âmbito do IFPR. Disponível em: https://reitoria.ifpr.edu.br/wp-content/uploads/2017/08/Res.-50.2017-1.pdf. Acesso em: 7 maio 2020.

IVO, Andressa Aita; HYPOLITO, Álvaro Moreira. Educação Profissional e Proeja: Processos de Adesão e Resistência à Implantação de uma Experiência. Educação em Revista, Belo Horizonte, v. 28, n. 3, p. 125-142, 2012.

KRASILCHIK, Myriam. Prática de Ensino de Biologia. 4. ed. São Paulo: Edusp, 2004.

KRUGER, Joelma Goldner; LEITE, Sidnei Quezada Meireles. O ensino de química no curso técnico integrado PROEJA em metalurgia e materiais (IFES campus Vitória): análise das percepções discentes. Ciências & Cognição. Rio de Janeiro, v. 15, n. 1, p.171-186, 2010.

LEITE, Adriana Cristina Souza; SILVA, Pollyana Alves Borges; VAZ, Ana Cristina Ribeiro. A importância das aulas práticas para alunos jovens e adultos: uma abordagem investigativa sobre a percepção dos alunos do PROEF II. Ensaio - Pesquisa em Educação em Ciências, Belo Horizonte, v. 7, n. 3, p. 1-16, 2005.

LUNETTA, Vincent N. Actividades práticas no ensino da Ciência. Revista Portuguesa de Educação, Braga, v. 2, n. 1, p. 81-90, 1991.

NASCIMENTO, Silvana Sousa; VENTURA, Paulo Cezar Santos Ventura; SILVA, Paulo Sávio Damásio. Física e Química: uma avaliação do ensino. Revista Presença Pedagógica, Belo Horizonte, v. 9, n. 49, p. 21 - 33, 2003.

OLIVEIRA, Marta Kohl. Jovens e adultos como sujeitos de ensino e aprendizagem. Revista Brasileira de Educação, Rio de Janeiro, n.12, p.59-73, 1999.

PERUZZI, Sara Luchese; FOFONKA, Luciana. A Importância da Aula Prática para a Construção Significativa do Conhecimento: A Visão dos Professores das Ciências da Natureza. Educação Ambiental em Ação. n. 47, 2014. Disponível em: http://www.revistaea.org/artigo.php? idartigo=1754. Acesso em: 2 jun. 2018.

TARDIF, Maurice. Saberes docentes e formação profissional. 3. ed. Petrópolis: Vozes, 2002

TEIXEIRA, Lílian Viana. Análise Sensorial na Indústria de Alimentos. Revista do Instituto de Laticínios Cândido Tostes, Juiz de Fora, v. 64, n. 366, p.1-14, 2009.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.




A Revista EJA em Debate está indexada ao Livre!, ao SEER, à Sumários de Revistas Brasileiras e ao Periódicos CAPES

ISSN ELETRÔNICO 2317-1839                     ISSN IMPRESSO - 2316-4417

Qualis: B3