O USO DAS TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS: UMA PROPOSTA EMANCIPADORA

Aline Carla de Sousa Leite Cipriano, Francisco Adelton Ribeiro

Resumo


Esta pesquisa objetiva identificar o uso das tecnologias da informação e comunicação no ensino-aprendizagem dos discentes do CEJA Prof. Artur, escola da rede estadual de Teresina – PI. O estudo faz-se necessário em virtude das mudanças trazidas pela globalização que introduziram o uso de novas tecnologias e influenciam as formas de aprender e comunicar-se, repercutindo no ambiente escolar, inclusive na Educação de Jovens e Adultos, modalidade singular, por ser marcada por histórias de vidas truncadas. Para a realização da pesquisa, foi utilizado o estudo de caso com procedimento qualitativo e quantitativo, que colheu resultados, por meio de informações e eventos reais, com objetivo de descrever e conhecer o contexto escolar. A pesquisa também esteve pautada no método do materialismo histórico-dialético que favoreceu uma compreensão ampla dos fenômenos sociais. Nesse sentido, foi aplicado questionário, instrumento que possibilitou uma gama de informações, cujos resultados demonstraram o uso frequente dos alunos nos meios tecnológicos, pois 72,7% informaram usar frequentemente o computador, bem como 92,3% usam o celular para pesquisa escolar. Com o estudo, evidenciou-se a necessidade da escola e dos professores implementarem de forma mais constante as TIC’s no ambiente escolar, como forma de dinamizar o ensino e aprendizagem do letramento digital, algo ainda problemático devido à carente formação de professores para o uso das tecnologias e a aparelhagem das instituições.


Palavras-chave


Escolar. Digital. Tecnológico.

Texto completo:

PDF6

Referências


ALMEIDA, A.; CORSO, A. M. A educação de jovens e adultos: aspectos históricos e sociais. In: CONGRESSO NACIONAL DE EDUCAÇÃO EDUCERE, 7º, 2015, Paraná. Anais, Paraná: Pontifícia Universidade Católica do Paraná, 2018. Disponível em: http://educere.bruc.com.br/arquivo/pdf2015/22753_10167.pdf. Acesso em: 05 jan. 2018.

ARROYO, M. G. Educação de Jovens e Adultos: um campo de direitos e responsabilidade pública. In: SOARES, L.; GIOVANETTI, M. A. G. de C.; GOMES, N. L. (Org.). Diálogos na educação de jovens e adultos. 4. ed. Belo Horizonte: Autêntica Editora, 2011, p. 07- 86.

BACCEGA, M. A. Comunicação/educação e a construção de uma nova variável histórica. In: CITELLI, A. O; COSTA, M. C. C. (Org.). Educomunicação: construindo uma nova área de conhecimento. São Paulo: Paulinas, 2011, p. 31-41.

BRASIL. Lei Nº 5.692 de agosto de 1971. Fixa Diretrizes e Bases para o ensino de 1º e 2º graus, e dá providências. Disponível em: https://www.camara.leg.br/legin/fed/lei/1970-1979/lei-5692-11-agosto-1971-357752-publicacaooriginal-1-pl.html. Acesso em: 20 dez. 2019.

BRASIL. Lei Nº 10.436 de abril de 2002. Disponível em: https: //www.camara.leg.br/legin/fed/lei/1970-1979/lei-5692-11-agosto-1971-357752-publicacaooriginal-1-pl.html. Acesso em: 22 set. 2019.

BRASIL. [Constituição (1988)]. Constituição da República Federativa do Brasil de 1988. Brasília, DF: Presidência da República, [2016]. Disponível em: http: //www.planalto.gov.br/ccivil_03/Constituicao/ Constituiçao.htm. Acesso em: 10 jan. 2017.

BRASIL. Lei nº 9.394, de 20 de dezembro de 1996. Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional. Diário Oficial da União de 23 de dezembro de 1996, p. 27833. Disponível em: http: www.planalto.gov.br/CCIVIL_03/leis/L9394.htm. Acesso em: 28 dez. 2018.

BRASIL. INEP- Dados do Censo Escolar: rede pública tem maior número de alunos com idade acima do recomendado para a série de ensino. Disponível em: http: //portal.inep.gov.br/web/guest/inicio. Acesso em: 28 dez. 2017.

BRASIL. Lei Nº 5.692 de agosto de 1971. Fixa Diretrizes e Bases para o ensino de 1º e 2ºgraus, e dá providências. Disponível em: https://www.camara.leg.br/legin/fed/lei/1970-1979/lei-5692-11-agosto-1971-357752-publicacaooriginal-1-pl.html. Acesso em: 20 dez. 2019.

CASTELLS, M. A galáxia da Internet: reflexões sobre a internet, os negócios e a sociedade. Tradução de Maria Luiza Borges. Revisão Paulo Vaz. Rio de janeiro: Zahar, 2003.

CASTRO JÚNIOR, J. B.; SCHMIDLIN, R. de F. Mendes. O uso dos avanços tecnológicos aplicados a EJA. In: MOURA, M. G. C.; CARVALHEDO, J. L. P. (Org.); LEAL, F. L. S. (Org.). Contributos da UFPI para educação de jovens e adultos: prática pedagógica. 1. ed. Teresina: EDUFPI, 2014, p. 63-80.

CAVALCANTI, A. de S. Olhares epistemológicos e a pesquisa educacional na formação de professores de ciências. Educ. Pesqui. São Paulo. 2014, v. 40, n.4, p.983-998, out./dez. 2014. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/ep/v40n4/08.pdf. Acesso em: 26 set. 2018, p. 195.

SOARES, I. de O. Educomunicação: um campo de mediações. In: CITELLI, A. O; COSTA, M. C. C. (Org.). Educomunicação: construindo uma nova área de conhecimento. São Paulo: Paulinas, 2011. p. 13-29.

GODOY, A. S. Pesquisa Qualitativa - tipos fundamentais. Revista de Administração de Empresas. São Paulo: RAE, v. 35, p. 20-29, maio/jun. 1995.

FREIRE, Paulo. Pedagogia do oprimido. Rio de janeiro, Paz e Terra, 1970.

FRIGOTTO, G. Educação e Trabalho: bases para debater a Educação Profissional Emancipadora. Perspectiva, Florianópolis, v. 19, n. l, jan./jun, 2001, p. 71-87.

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA. Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílio C. Rio de Janeiro: IBGE, 2016. Disponível em: https://www.ibge.gov.br/. Acesso em: 10 jan. 2019.

KUENZER, A. Z. A formação de professores para o Ensino Médio: velhos problemas, novos desafios. Educ. Soc. [online], Campinas, vol.32, n.116, p.667-688, 2011. Disponível em: https://doi.org/10.1590/S0101-73302011000300004. Acesso em: 11 nov. 2018.

LÉVY, P. A inteligência coletiva: por uma antropologia do ciberespaço. Tradução Luiz Paulo Rouanet. São Paulo: Loyola, 1998.

MACHADO, L. R. de S. PROEJA: O significado socioeconômico e o desafio da construção de um currículo inovador. In: MEC, SEED, TV Escola, Salto para o Futuro. (Org). PROEJA: Formação Técnica Integrada ao Ensino Médio. Rio de Janeiro: MEC, SEED, TV Escola, Salto para o Futuro, 2006, v. 16, p. 36-53.

MARIN, A. C. de S. Didática da matemática: a utilização do software Winplot como estratégia potencializadora dos processos de ensino aprendizagem. 2017. Dissertação (Mestrado em Educação) - Universidade Estadual Paulista, São Paulo, 2017.

OLIVEIRA, L. X. de; SANTANA, M. das M. C. A trajetória da educação de jovens e adultos (EJA) na Educação Brasileira: os documentos oficiais. In: MOURA, M. da G. C; CARVALHÊDO, J. L. P.; LEAL, F. de L. dos S. (Org.). Contributos da UFPI para a Educação de Jovens e Adultos: História, política e financiamento. Teresina: Edufpi, 2014, p.21-38

PETARNELLA, L. Escola analógica: cabeças digitais: o cotidiano escola frente às novas tecnologias midiáticas e digitais de informação e comunicação. Campinas, SP: Editora Alínea, 2008.

PIAUÍ, Secretaria Estadual de Educação e Cultura do Piauí. Projeto Político Pedagógico da CEJA Artur Furtado. Teresina: 2016.

PRENSKY, M. Aprendizagem baseada em jogos digitais. São Paulo: Editora Senac: São Paulo, 2012.

SKALINSKI JÚNIOR, O. Técnicas de Entrevista e sua Aplicação em Pesquisas Científicas. In: TOLEDO, C. de A. A.; GONZAGA, M. T. C. (Org.). Metodologia e Técnicas de Pesquisa nas áreas de Ciências Humanas. Maringá: Eduem, 2011.

SCOTT, J. Gênero: uma categoria útil de análise histórica. Educação e Realidade, Porto Alegre, v.15, n. 2, julho/dez, 1990.

SOARES, I. de O. Educomunicação: um campo de mediações. In: CITELLI, A. O; COSTA, M. C. C. (Org.). Educomunicação: construindo uma nova área de conhecimento. São Paulo: Paulinas, 2011. p. 13-29.

SOBRAL, M. N. Pedagogia Online: discurso sobre práticas educativas em ambientes virtuais de aprendizagem In: MACHADO, G. J. C. (Org.). Educação e Ciberespaço: estudos, proposta e desafios. Aracaju: Virtus, 2010, p. 03-32.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.




A Revista EJA em Debate está indexada ao Livre!, ao SEER, à Sumários de Revistas Brasileiras e ao Periódicos CAPES

ISSN ELETRÔNICO 2317-1839                     ISSN IMPRESSO - 2316-4417

Qualis: B3