TENSÕES ENTRE PROPOSTAS E PRÁTICAS CURRICULARES EM MATEMÁTICA NA EJA DA ZONA RURAL DO CEARÁ

Francisco Josimar Ricardo Xavier, Adriano Vargas Freitas

Resumo


O ensino de Matemática ainda tem sido um desafio nas escolas brasileiras. Entendemos que este desafio se intensifica em turmas da Educação de Jovens e Adultos (EJA) da zona rural onde, em geral, predominam propostas curriculares de escolas urbanas ou adaptadas de outras etapas de ensino. Neste artigo analisamos algumas tensões entre propostas e práticas curriculares em matemática na EJA da zona rural do Ceará. Como instrumentos de elaboração de dados foram utilizadas entrevistas semiestruturadas, realizadas com duas professoras, e observação participante nas salas de aula destas docentes. Os materiais de pesquisa foram analisados por meio da técnica de Análise Textual Discursiva. Dentre os resultados, observa-se a percepção do entendimento comum, por parte das professoras e do sistema municipal de ensino, de currículo enquanto documento básico de prescrição. Conclui-se que há um distanciamento entre o que se propõe como práticas às professoras e o que elas constroem em sala de aula. Entendemos ser essas aproximações e distanciamentos as tensões entre as propostas e práticas curriculares em matemática.

 


Palavras-chave


EJA, Práticas curriculares, Matemática

Texto completo:

PDF

Referências


BRASIL. Parecer nº 11, de 10 de maio de 2000. Dispõe sobre as Diretrizes Curriculares para a Educação de Jovens e Adultos. Câmara da Educação Básica. Brasília, 2000.

BRASIL. Proposta Curricular para a Educação de Jovens e Adultos. Segundo Segmento, v. 3, Secretaria da Educação Básica. Brasília, 2002.

CHIZZOTTI, A. Pesquisa qualitativa em ciências humanas e sociais. 5. ed. Petrópolis: Vozes, 2013.

FRANCO, M. A. S. Práticas pedagógicas de ensinar-aprender: por entre resistências e resignações. Revista Educação e Pesquisa, São Paulo, v. 41, n. 3, p. 601-614, jul./ set. 2015.

FRANCO, M. A. S. Pedagogia e prática docente. São Paulo: Cortez, 2012.

FREITAS, A.V. Educação Matemática e Educação de Jovens e Adultos: estado da arte de publicações em periódicos (2000 a 2010), 2013. 360 f. Tese (Doutorado em Educação Matemática) – Pontífica Universidade Católica de São Paulo, São Paulo, 2013.

GIL, A. C. Métodos e técnicas de pesquisa social. 6. ed. São Paulo: Atlas, 2008.

LOPES, A. C.; MACEDO, E. Teorias de currículo. São Paulo: Cortez, 2011.

LÜDKE, M; ANDRÉ, M. E. D. A. Pesquisa em educação: abordagens qualitativas. 10. reimpr. São Paulo: EPU, 2007.

MORAES, R.; GALIAZZI, M. C. Análise Textual Discursiva. 3. ed. rev. ampl. Ijuí: Unijuí, 2016.

MORIN, E.; ALMEIDA, M. C. de; CARVALHO, E. A. (orgs.). Educação e complexidade: os sete saberes e outros sentidos. 4. ed. São Paulo: Cortez, 2007.

PAIVA, J. Tramando concepções e sentidos para redizer o direito à educação de jovens e adultos. Revista Bras. Educ. Rio de Janeiro, v. 11, n. 33, p.519-539, set./ dez., 2006.

SACRISTÁN, J. G. O currículo: uma reflexão sobre a prática. Tradução Ernani F. da F. Rosa. 3. ed. Porto Alegre: Artmed, 2000.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.




A Revista EJA em Debate está indexada ao Livre!, ao SEER, à Sumários de Revistas Brasileiras e ao Periódicos CAPES

ISSN ELETRÔNICO 2317-1839                     ISSN IMPRESSO - 2316-4417

Qualis: B3