A PRESENÇA DA EDUCAÇÃO POPULAR NA EJA: LIMITES E POSSIBILIDADES

Sita Mara Lopes Sant' Anna, Juliana Flores e Flores

Resumo


Este artigo objetiva refletir se a Educação Popular – EP faz-se presente numa prática escolar desenvolvida na disciplina de Estágio Curricular III, como obrigatória, na modalidade de Educação de Jovens e Adultos – EJA, no Município de São Francisco de Paula, no Rio Grande do Sul. A questão que mobiliza essa reflexão visa saber se é possível localizar aspectos ou características da Educação Popular presentes em uma prática escolarizada na EJA. Do ponto de vista metodológico, é importante salientar que a prática pedagógica desenvolvida foi orientada por referenciais da EJA e que, somente após o desenvolvimento dessa docência, aprofundou-se levantamento bibliográfico sobre a Educação Popular, a partir dos estudos de Vale (2001), Barbosa (2012) e Gadotti (1984). Como resultados, destaca-se uma relação muito próxima entre EP e a EJA, demonstrando ser possível a Educação Popular na escola pública, mesmo em situação “diferenciada” de estágio curricular.


Palavras-chave


Educação Popular. Educação de Jovens e Adultos. Modalidade EJA.

Texto completo:

PDF

Referências


BARBOSA, P. M. R. Breve relato da história da educação excludente: do início da colonização aos dias de hoje em nosso país. 2012. Disponível em: Acesso em: 02 out. 2017.

BRASIL. Lei 5692/71. Lei de Diretrizes e Bases do Ensino de Primeiro e Segundo Graus. Diário Oficial da República Federativa do Brasil,Brasília: 1971.

______. Ministério da Educação. Lei nº 9.394 de 20 de dezembro de 1996: Estabelece as Diretrizes e Bases da Educação Nacional. Brasília: Planalto, 1996.

______. Constituição da República Federativa do Brasil: Texto constitucional promulgado em 5 de outubro. Brasília: 1988.

CAMPOS, A. C; RAMOS, E.S; LIMA, F. B. S. A importância da valorização do conhecimento prévio do estudante. (Monografia) III Curso de Especialização em Educação na Diversidade e Cidadania com Ênfase em EJA Universidade de Brasília – UAB, Brasília, 2015. Disponível em: Acesso em: 01 dez. 2017.

DIAS, J. Resenha da Lenda dos Porcos, de São Francisco de Paula - RS. Treck e Arth, Papagolfade in São Chico de Paula, 2008. Disponível em:

Acesso em: 05 dez. 2017.

FREIRE, P. Pedagogia do oprimido. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1983.

GADOTTI, M. Educação e poder: introdução à pedagogia do conflito. 5. ed. São Paulo:Cortez, 1984.

GHIRALDELLI JR, P. Introdução à Educação Escolar Brasileira: História, Política e Filosofia da Educação [versão prévia] 2001. Disponível em: . Acesso em: 13 nov. 2017.

NÓVOA, A. Vida de professores. Porto: Porto Editora, 1992.

PAIVA, V. História da Educação Popular no Brasil: Educação Popular e Educação de Adultos. 6. ed. São Paulo: Loyola, 2003.

PALUDO, C. Educação Popular em Busca de Alternativas: Uma leitura desde o campo democrático. Porto Alegre: Tomo Editorial, 2001.

PILETTI, C.; PILETTI, N. Filosofia e História da Educação. São Paulo: ABDR Ed 15, 2003.

POSSENTI, Sírio. Por que (não) ensinar gramática na escola. São Paulo: Mercado das Letras, 2012.

RIO GRANDE DO SUL. Conselho Estadual de Educação. Resolução n° 250 de 31 de Dezembro de 2001: Estabelece a inserção da Educação de Jovens e Adultos em Projetos Político-Pedagógicos e Regimentos das Escolas Ofertantes. 2001.

RODRIGUES, A. Elementos constitutivos do projeto Político pedagógico da EJA da rede Estadual. Porto Alegre: Corag, 2014.

SANT’ANNA, S. M. L. A Educação de Jovens e Adultos: uma perspectiva histórica. 2008. Disponível em: Acesso em: 04 nov. 2014.

______. Múltiplas linguagens na EJA. In: Moll, Jaqueline. (Org.). Múltiplas Linguagens na EJA. 4. ed. Porto Alegre: Mediação, 2011.

______. Os sentidos nas perguntas dos professores da Educação de Jovens e Adultos. Tese de Doutorado. Faculdade de Educação. Programa de Pós-graduação em Educação. Porto Alegre, 2009.

SANT’ANNA, S. M. L.; STRAMARE, O. A. Uma retomada sobre a educação de Jovens e Adultos. Aprendendo com jovens e adultos. Porto Alegre, Revista do NIEPE/UFRGS, n. 1, ano 2, dez. 2001.

SANTOS, C. P. A visão dos alunos da Educação de Jovens e Adultos sobre a escola. Eventos Pedagógicos, v. 4, n. 2, p. 31-40. 2013.

SÃO FRANCISCO DE PAULA. Conselho Municipal de Educação. Resolução n° 006 de 03 de Junho de 2008: Estabelece normas para oferta da Educação de Jovens e Adultos para o Sistema Municipal de Ensino de São Francisco de Paula. 2008.

SECO, A. P.; AMARAL, T. C. I. do. Marquês de Pombal e a reforma educacional brasileira. 2012. Disponível em:

Acesso em: 04 nov.2017.

SAUL, A.M.Avaliação Emancipatória Escolar. São Paulo: Cortez, 1996.

TEIXEIRA, L. A. O que leva jovens e adultos a buscar a EJA?: algumas considerações. III Simpósio Nacional de Ensino de Ciência e Tecnologia. 2011. Disponível em: Acesso em: 15 set. 2015.

VALE, Ana Maria do. Educação popular na escola pública. 4. ed. São Paulo: Cortez, 2001.

VIEIRA, E.; VOLQUIND, L. Oficinas de Ensino: O quê? Por quê? Como? Porto Alegre: EDIPUCRS, 1997.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.




A Revista EJA em Debate está indexada ao Livre!, ao SEER, à Sumários de Revistas Brasileiras e ao Periódicos CAPES

ISSN ELETRÔNICO 2317-1839                     ISSN IMPRESSO - 2316-4417

Qualis: B3