O trabalho como princípio educativo na Educação de Jovens e Adultos: mediações imanentes para um currículo que se pretende emancipador

Adriana Regina Sanceverino

Resumo


O artigo objetiva refletir acerca dos princípios que estão configurando o caráter mediador do trabalho como elemento de articulação nos processos de elaboração do currículo da Educação de Jovens Adultos (EJA). Metodologicamente essa pesquisa se caracteriza de cunho bibliográfico, assume o eixo de análise do materialismo-histórico e dialético. Têm como aportes teórico-metodológicos: Marx e Engels (1989); Engels (2009); Gramsci (1986); Mészáros (2008); Lukcás (1978); Tumolo (1996 - 2007); Antunes (1999 - 2009); Franco (1989); Frigotto (2005, 2009); Ciavatta (1990); Saviani (1989-2012); Kuenser (1988, 1994); Nosella (1989, 1992); Freire (2002); Romanelli (2007), Veiga (1995); Carvalho (2008); Haddad (2000); Losso (2009, 2012), entre outros. Os procedimentos metodológicos se constituíram de um levantamento bibliográfico por meio de consultas a livros e artigos disponíveis em acervos públicos ou meios em eletrônicos. Resultados nos desafiam a encontrar os vínculos tensos mediadores entre trabalho e educação tendo em vista a centralidade do trabalho como atividade criadora e para a EJA essa é condição fundamentalmente potencializadora para processos de emancipação dos sujeitos nessa modalidade de ensino. 


Palavras-chave


Trabalho. Mediação. Currículo. Educação de Jovens e Adultos.

Texto completo:

PDF

Referências


ANTUNES, R. (Org.) A dialética do trabalho: escritos de Marx e Engels. São Paulo: Expressão Popular, 2009.

BARCELOS, V. Educação de Jovens e Adultos: currículos e práticas pedagógicas. Petrópolis, RJ: Vozes, 2010.

_______. O Curriculo na Educação de Jovens e Adultos: uma perspectiva freireana e intercultural de educação. In: Reunião da ANPED Sul, 9. Associação Nacional de Pós-Graduação e Pesquisa em Educação da Região Sul. Caxias do Sul: UCS, 2012.

BOTTOMORE, T. Dicionário do pensamento marxista. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 2001.

CARVALHO, R. T. Interculturalidade: objeto de saber no campo curricular da educação de jovens e adultos. Recife: UFPE, 2008.

ENGELS, F. Sobre o papel do trabalho na transformação do macaco em homem. In: ANTUNES, R. (Org.) A dialética do trabalho: escritos de Marx e Engels. São Paulo: Expressão Popular, 2009. p. 11-28.

FRANCO, M. L. P. B. Possibilidades e limites do trabalho enquanto princípio educativo. Cadernos de Pesquisa, São Paulo: Fundação Carlos Chagas, n. 68, p. 29-38, 1989.

FREIRE, P. Pedagogia do oprimido. 32. ed. São Paulo: Paz e Terra, 2002.

FRIGOTTO, G.; CIAVATTA, M.; RAMOS, M. O trabalho como princípio educativo no projeto de educação integral dos trabalhadores. In: COSTA, H. da; CONCEIÇÃO, M. Educação integral e sistema de reconhecimento e certificação educacional profissional. São Paulo: Secretaria Nacional de Formação – CUT, 2005.

_______. A polissemia da categoria trabalho e a batalha das ideias nas sociedades de classes. In: Revista Brasileira de Educação, Rio de Janeiro, v. 14, n. 40. jan./abr. 2009.

FORUNS DE EJA DO BRASIL. Relatório Síntese do IV Encontro Nacional de Educação de Jovens e Adultos. Belo Horizonte, 2010. Disponível em: .

GOUVEIA, A. B; SILVA, I. F. Financiamento da Educação no Brasil: FUNDEF e FUNDEB. In: CZERNISZ, E.C.S. (org.). Política e Gestão da educação: questões em debate. Londrina: UEL, 2009.

GRAMSCI, A. Concepção de dialética da história. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira 1986.

HADDAD, S. (Coord.). O Estado da Arte das Pesquisas em educação de jovens e adultos no Brasil: a produção discente da pós-graduação 1986-1998. São Paulo: Ação Educativa, 2000. Disponível em: .

KONDER, L. O que é dialética. São Paulo: Brasiliense, 2000.

KUENZER, A. Z. A questão do ensino médio no Brasil: a difícil superação da dualidade estrutural. In: KUENZER, A. et al. Trabalho e educação. 2. ed. Campinas: Papirus, 1994.

_______. Ensino de 2º grau. O trabalho como princípio educativo. São Paulo: Cortez, 1988.

LOSSO, A. R. S. A mediação na formação dos profissionais da educação: reflexões de uma professora-tutora. Campinas, SP: Mercado de Letras, 2009.

_______. Os sentidos da mediação na prática pedagógica da educação de jovens e adultos. 2012. 369 f. Tese (Doutorado em Educação) − Universidade do Vale do Rio dos Sinos, São Leopoldo, 2012.

LUKÁCS, G. Introdução a uma estética marxista: sobre a categoria da particularidade. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1978.

MANACORDA, M. A. Marx e a pedagogia moderna. Lisboa: Iniciativas Editoriais, 1975.

_______. O princípio educativo em Gramsci. Porto Alegre: Artes Médicas Sul, 1990.

MARX, K.; ENGELS, F. A ideologia alemã. São Paulo: Martins Fontes, 1989.

MÉSZÁROS, I. A educação para além do capital. São Paulo: Boitempo, 2005.

MOURA, M. G. C. Educação de jovens e adultos: um olhar sobre sua trajetória história. Curitiba: Educarte, 2003.

NOSELLA, P. O trabalho como princípio educativo em Gramsci. Revista de Educação, São Paulo: APEOESP, n. 4, p. 16-25, 1989.

_______. A escola de Gramsci. Porto Alegre: Artes Médicas Sul, 1992.

OLIVEIRA, I. B. Reflexões acerca da organização curricular e das práticas pedagógicas na EJA. Educ. rev. [online], n.29, p.83-100, 2007.

_______. Organização curricular e práticas pedagógicas na EJA: algumas reflexões. In: PAIVA, J.; OLIVEIRA, I. B. de (Org.). Educação de jovens e Adultos. Petrópolis: DP et Alii, 2009.

PAIVA, J. Proposições curriculares na educação de jovens e adultos: emergências na formação continuada de professores baianos. In: BARBOSA, M. I. (Org.). Alternativas emancipatórias em currículo. São Paulo: Cortez, 2004.

RIBEIRO, M. L. S. História da educação brasileira: a organização escolar. 20. ed. Campinas, SP: Autores Associados, 2007. (Memória da Educação).

RIBEIRO, V. M. ( Org.). Educação para Jovens e Adultos: Proposta Curricular para o 1º segmento do Ensino Fundamental. São Paulo: Ação Educativa; Brasília: MEC, 1997.

ROMANELLI, O. História da educação no Brasil. Petrópolis: Vozes, 2007.

SAVIANI, D. Sobre a concepção de politecnia. Rio de Janeiro: Fiocruz; Rio de Janeiro: Escola Politécnica de Saúde Joaquim Venâncio, 1989.

_______. Sobre a concepção de politecnia. Rio de Janeiro, RJ: Fiocruz, 1989.

_______. O trabalho como princípio educativo frente às novas tecnologias. 1994. Disponível em: .

_______. O choque teórico da politecnia. Revista Trabalho, Educação e Saúde, n. 1, v. 1, p. 131-152, 2003.

_______. Trabalho e educação: fundamentos ontológicos e históricos. Revista Brasileira de Educação, v. 12, n. 34, jan./abr., 2007.

SOARES, L. Educação de Jovens e Adultos: Diretrizes Curriculares Nacionais. Rio de Janeiro: DP&A, 2002.

SOUSA JÚNIOR, J. Princípio educativo e emancipação social: validade do trabalho e pertinência da práxis. ANPEd, 33, Educação no Brasil : o balanço de uma década. Caxambu, MG, 2009. Disponível em: .

TITTON, M. O princípio educativo do trabalho e o trabalho enquanto princípio educativo: ampliando o debate com os movimentos de luta social. ANPED, 31, Caxambu, MG, 2008. Disponível em: .

TUMOLO, P. S. Trabalho: categoria chave e/ou princípio educativo? O trabalho como princípio educativo diante da crise da sociedade do trabalho. Perspectiva, Florianópolis, v. 14, n. 26, p. 39-70, jul/dez, 1996.

_______. O significado do trabalho no capitalismo e o trabalho como princípio educativo: ensaio de análise crítica. Trabalho Necessário: Revista eletrônica, NEDATE/UFF, ano 1, n. 1, 2003.

_______. O significado do Trabalho no capitalismo e o trabalho como princípio educativo: ensaio de análise crítica. 2005. Disponível em: .

TUMOLO, P. S.; COAN, M. A categoria trabalho nos textos didáticos utilizados para o ensino de sociologia no ensino médio. ANPED, 30, Caxambu, MG, 2007.

VEIGA, I. P. A. Escola, currículo e ensino. In: VEIGA, I. P. A.; CARDOSO, M. H. (Org.). Escola fundamental, currículo e ensino. Campinas, SP: Papirus, 1995.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.




A Revista EJA em Debate está indexada ao Livre!, ao SEER, à Sumários de Revistas Brasileiras e ao Periódicos CAPES

ISSN ELETRÔNICO 2317-1839                     ISSN IMPRESSO - 2316-4417

Qualis: B3