Perfil e percurso de escolarização do apenado-trabalhador: alfabetização e noções de direito e cidadania no projeto de inclusão social na EJA

Martha Vanessa Lima do Nascimento, Marinaide Lima de Queiroz Freitas

Resumo


O presente artigo advém de uma pesquisa exploratória que parte de um estudo preliminar que proporcione ao pesquisador uma familiarização com o objeto de estudo. O trabalho tem por objetivo apresentar o perfil dos apenados-trabalhadores-alunos, bem como o percurso de escolarização desses sujeitos participantes do Projeto de Inclusão Social pela Educação de Homens e Mulheres em Regime Semiaberto e Aberto. O referido Projeto é decorrente do convênio firmado entre a Universidade Federal de Alagoas (UFAL) e a Secretaria de Estado de Ressocialização e Inclusão Social (SERIS), Terminologia assumida a partir de maio de 2014, até então, denominava-se Superintendência Geral de Administração Penitenciária (SGAP). Partimos das seguintes indagações: Qual o perfil desses alunos? Qual a história de escolaridade? Esses alunos já estudaram? E se estudaram até que séries/anos cursaram? No caso de interrupções dos estudos, ainda têm interesse em voltar a estudar? Na busca de respostas, realizamos entrevistas semiestruturadas na etapa inicial do referido projeto (2012), cujos dados colhidos constituem-se em narrativas e formam o corpus deste trabalho.


Palavras-chave


Apenado. Trabalhador-aluno. Inclusão. Educação de Jovens e Adultos.

Texto completo:

PDF

Referências


BAGNO, Marcos. A língua de Eulália: novela sociolinguística. 15. ed. São Paulo: Contexto, 2006.

BRASIL. Ministério da Educação. CNE – CEB nº 7/2010. Diretrizes Curriculares Nacionais para a Educação de Jovens e Adultos. Brasília, 2010.

BRASIL. Educação para Jovens e Adultos. Proposta Curricular para o 1º Segmento do Ensino Fundamental. Brasília: MEC, 1997.

COSTA, Elaine Cristina Pimentel. Projeto PIBIP Ação: Alfabetização e Cidadania para reeducandos do regime semiaberto e aberto. Alagoas: UFAL, 2012.

FREIRE, Paulo. Educação e Conscientização. In: Educação como prática da liberdade. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 2014.

GUEDES-PINTO, A. L.; SILVA, L. C. B. da; GOMES, G. G. Memórias de leituras e formação de professores. Campinas, SP: Mercado de Letras, 2008. (Gêneros e Formação).

BRASIL. Lei nº 9.394 de 20 de dezembo de 1996. Lei de Diretrizes e Bases da Educação. Brasília: MEC, 1996.

MOURA, Tania Maria de Melo. A Prática Pedagógica dos Alfabetizadores de Jovens e Adultos: Contribuições de Freire, Ferreiro e Vygotsky. Maceió: EDUFAL/INEP, 1999.

­_______. Os alunos jovens e adultos que buscam a Educação de Jovens e Adultos: quem são e o que buscam na escola. Maceió: UFAL, 2000.

OLIVEIRA, M. K. Jovens e adultos como sujeitos de conhecimento e aprendizagem. Revista Brasileira de Educação. São Paulo, n.12, set./out./nov., 1999.

PAIVA, Jane. Os sentidos do sireito à Educação para Jovens e Adultos. Petrópolis, RJ: DP et Alii; Rio de Janeiro: FAPERJ, 2009.

_______. Educação de jovens e adultos: questões atuais em cenário de mudanças. In: BARBOSA, Inês; PAIVA, Jane (org.). Educação de jovens e adultos. Rio de Janeiro: DP&A, 2004.

PIOVISAN, A.; TEMPORINI, E. R. Pesquisa exploratória: procedimento metodológico para estudo de fatores humanos no campo da saúde pública. Revista Saúde Pública, n. 29 (4), São Paulo, p. 318-25, 1995.

TERZI, Sylvia Bueno. A construção do currículo nos cursos de letramento de jovens e adultos não escolarizados. Campinas: UNICAMP, 2006.

UNESCO. Conferência Internacional Sobre a Educação de Adultos (V: 1997 Hamburgo: agenda para o futuro. – Brasília, 1999.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.




A Revista EJA em Debate está indexada ao Livre!, ao SEER, à Sumários de Revistas Brasileiras e ao Periódicos CAPES

ISSN ELETRÔNICO 2317-1839                     ISSN IMPRESSO - 2316-4417

Qualis: B3