PERCEPÇÕES DOCENTES SOBRE AS RELAÇÕES DE GÊNERO, OS PROCESSOS DE ESCOLARIZAÇÃO E A FORMAÇÃO DOCENTE NA EJA

Poliana da Silva Almeida Santos Camargo, Ludmilla Puppim Voigt, Melissa Freitas de Almeida

Resumo


Este artigo tem por objetivo apresentar percepções sobre as relações de gênero, os processos de escolarização e a formação docente de 42 professores/as1 da EJA. Os dados foram coletados por meio de um questionário e categorizados via análise de conteúdo. A pesquisa evidenciou a preocupação dos/as professores/as em não apontarem relações de poder entre gênero, porém, no decorrer das respostas, as normatizações estabelecidas por construções sociais que discriminam homens e mulheres apareceram de forma contundente. Podemos inferir, com base nos resultados, que as questões de gênero estão presentes no cotidiano escolar, influenciando a permanência ou a ausência de mulheres e de homens nas salas de aula no contexto da EJA.As relações de gênero precisam ser abordadas com intensidade e sistematização nos cursos de formação inicial e formação continuada docentes, com o objetivo de refletir sobre esses temas tão complexos e embasar atitudes pedagógicas/educativas conscientes, que não promovam a hierarquização entre gêneros.

1 De acordo com as orientações de Rabelho, Pereira e Reis (2013), optamos por utilizar uma linguagem não sexista, fazendo uso da barra (/), como nos casos: professor/a, professores/as, alunos/as.

 


Palavras-chave


EJA. Gênero. Formação de Professores/as.

Texto completo:

PDF

Referências


APPLE, Michael W. Educação e poder. Porto Alegre: Artmed, 2002.

BASTOS, Ludimila Corrêa. Traçando metas, vencendo desafios: experiências escolares de mulheres egressas na EJA. 2011. 134 f. Dissertação (Mestrado em Educação) - Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte, 2011.

BRASIL. Conselho Nacional de Educação. Parecer CEB nº 11/2000. Dispõe sobre as Diretrizes Curriculares Nacionais para a Educação de Jovens e Adultos. 2000. Disponível em: . Acesso em: 11 ago. 2013.

______. Lei nº 9394, de 20 de dezembro de 1996. Estabelece as Diretrizes e Bases da Educação Nacional. 1996. Disponível em:

< http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/L9394.htm>. Acesso em: 20 fev. 2015.

BRADLEY, Jana. Methodological issues and practices in qualitative research. Library Quarterly, v. 63, n. 4, p. 431-449, oct. 1993.

BRITO Rosemeire Santos de. Masculinidades, raça e fracasso escolar: narrativas de jovens na Educação de Jovens e Adultos em uma escola pública municipal de São Paulo. 2009. 325 f. Tese (Doutorado em educação) - Universidade de São Paulo, São Paulo, 2009.

CAVALCANTI, Edlamar Leal de Sousa. A apreensão do conhecimento escolar numa perspectiva de gênero. In: FAGUNDES, Tereza Cristina Pereira Carvalho. Ensaios sobre Identidade e Gênero. Helvécia Salvador, 2003, p. 177-210.

DURÃES, Sara Jane Alves. Sobre algumas relações entre qualificação, trabalho docente e gênero. Educação e Sociedade, Campinas, v. 33, n. 118, p. 271-288, jan./mar., 2012.

FRANCO, Maria Laura Piglisi Barbosa. Análise de conteúdo. 2. ed. Brasília: Líber Livro, 2012.

FREIRE, Ana Maria Araujo. Analfabetismo no Brasil: da ideologia da interdição do corpo à ideologia nacionalista, ou de como deixar sem ler e escrever desde as Catarinas (Paraguaçu), Filipas, Madalenas, Anas, Genebras, Apolônias e Grácias até os Severinos (1534-1930). 3. ed. São Paulo: Cortez, 2001.

KAPLAN, Bonnie; DUCHON, Dennis. Combining qualitative and quantitative methods in information systems research: a case study. Mis Quarterly, v. 12, n. 4, p. 571-586, dec. 1988.

LAMAS, Martha. Gênero: os conflitos e desafios do novo paradigma, Proposta, n. 84/85 ago., 2000.

LEONCY, Christiane. Mulheres na EJA: questões de identidade e gênero. 2013. 175f. Dissertação (Mestrado em Educação) – Universidade Estadual de Campinas, Campinas, 2013.

LIBÂNEO, José Carlos. Adeus professor, adeus professora? Novas exigências educacionais e profissão docente. 7. ed. São Paulo: Cortez, 2003.

LIEBSCHER, Peter. Quantity with quality? Teaching quantitative and qualitative methods in a lis master’s program. Library Trends, v. 46, n. 4, p. 668-680, Spring 1998.

LOURO, Guacira Lopes. Gênero, sexualidade e educação: uma perspectiva pós-estruturalista. 5. ed. Petrópolis: Vozes, 2003.

______. O corpo educado, pedagogias da sexualidade. Belo Horizonte: Autêntica, 2001.

MATOS, Maria Izilda S. Estudos de Gênero: percursos na historiografia contemporânea. Cadernos Pagu, n.11, p.67-75, 1998. Disponível em: . Acesso em: 13 jul. 2015.

MENEZES, Cristiane Souza de. As masculinidades na escola: histórias e memórias da escolarização de alunos da educação de jovens e adultos da Rede Municipal de João Pessoa. 2008. 172 f. Dissertação (Mestrado Educação) - Universidade Federal da Paraíba, João Pessoa, 2008.

MISKOLCI, Richard. Teoria Queer e a Sociologia: o desafio de uma analítica da normalização. Sociologias, Porto Alegre, v. 11, n. 21, jan./jun., 2009, p. 150-182.

MOTTA, Alda Brito da. Gênero e envelhecimento. Revista Coletiva, n. 9, set./dez, 2012. Disponível em:

. Acesso em: 04 abr. 2013.

MOURA, Solange Maria Sobottka Rolim de; ARAÚJO, Maria de Fátima. A maternidade na história e a história dos cuidados maternos. Psicologia: Ciência e Profissão, v. 24, n. 1, 2004, p. 44-55.

MOURA, Tânia Maria Melo de. Formação de Educadores de Jovens e Adultos: realidade, Desafios e Perspectivas Atuais. Dossiê temático Educação de pessoas jovens, adultas e idosas. Práxis Educacional, Vitória da Conquista, v. 5, n. 7, jul./dez. 2009, p. 45-72. Disponível em: . Acesso em: 04 jun. 2014.

NOGUEIRA, Vera Lucia. Educação de jovens e adultos e gênero: um diálogo imprescindível à elaboração de políticas educacionais destinadas às mulheres das camadas populares. In: SOARES, L. (org.). Aprendendo com a diferença: estudos e pesquisas em educação de jovens e adultos. Belo Horizonte: Autêntica, 2003. p. 65-90.

OLIVEIRA, Zenaide Azevedo Criado; SANTOS, Geane Ferreira dos; DOMINGUES, Regiane Souza de. A percepção do próprio envelhecimento. Revista do Instituto Paulista de Geriatria e Gerontologia, São Paulo, v. 01, n. 01, p. 42-47, 2012.

ORSO, Paulino José. Educação e lutas de classes. São Paulo: Expressão Popular, 2008.

PORCARO, Rosa Cristina. Caminhos e desafios da formação de educadores de jovens e adultos. 2011.186 f. Tese (Doutorado Educação) - Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte, 2011.

RABELHO, Amanda Oliveira; PEREIRA, Graziela Raupp; REIS, Maria Amelia de Souza Reis (orgs.). Formação docente em gênero e sexualidade: entrelaçando teorias, políticas e práticas. Petrópolis: De Petrus et Alii; Rio de Janeiro: FAPERJ, 2013.

SANTANA, Vagner Caminhas; BENEVENTO, Claudia Toffano. O conceito de gênero e suas representações sociais. Efdeportes.com, 2013. Disponível em: . Acesso em: 11 ago. 2015.

SANTOS, Geovânia Lúcia dos. Quando adultos voltam para a escola: o delicado equilíbrio para obter êxito na tentativa de elevação de escolaridade. In: SOARES, Leôncio. Aprendendo com a diferença: estudos e pesquisas em educação de jovens e adultos. Belo Horizonte: Autêntica, 2003. p. 11-38.

SCOTT, Joan. Gênero: uma categoria útil de análise histórica. Educação & Realidade, Porto Alegre, v. 20, n. 2, jul. /dez. 1995, p. 71-99.

SILVA, Maurício Roberto. Recortando e colando as imagens da vida cotidiana do trabalho e da cultura lúdica das meninas-mulheres e das mulheres-meninas da Zona da Mata Pernambucana. Caderno Cedes, v. 23, n. 56, p. 23-52, abr. 2002.

­­SOARES, Leôncio. O educador de jovens e adultos e sua formação. Educação em Revista, Belo Horizonte, n. 47, p. 83-100, jun. 2008.

______ (org.). Educação de jovens e adultos: o que revelam as pesquisas. Belo Horizonte: Autêntica, 2011.

SOUZA, Maria Celeste Reis Fernandes de. Gênero e matemática (s): dos jogos de verdade nas práticas de numeramento de alunas e alunos da educação de pessoas jovens e adultas. 2008. 279 f. Tese (Doutorado em Educação) - Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte, 2008.

TEDESCHI, Losandro Antonio. História das mulheres e as representações do feminino. Campinas: Curt Nimuendaju, 2008.

VIANA, Claudia Pereira. O sexo e o gênero da docência. Cadernos Pagu, v.17/18, n. 2001/02, p. 81-103. Disponível em: . Acesso em 10 out. 2014.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.




A Revista EJA em Debate está indexada ao Livre!, ao SEER, à Sumários de Revistas Brasileiras e ao Periódicos CAPES

ISSN ELETRÔNICO 2317-1839                     ISSN IMPRESSO - 2316-4417

Qualis: B3