OS PARADIGMAS ORIENTADORES DO DIREITO À EJA: POLÍTICAS E PRÁTICAS EM ESTUDO

Adriana Pereira da Silva

Resumo


Este artigo objetiva analisar os paradigmas orientadores do direito à Educação de Jovens e Adultos (EJA), tratados como Educação Permanente, Educação ao Longo da Vida, Aprendizagem ao Longo da Vida, Educação Popular, observando a sua presença em práticas pedagógicas. A sistematização trata das concepções diferenciadas ao direito à educação, caracteriza os paradigmas e suas intencionalidades em disputa, conceitualizando-os e, então, observa a presença desses em experiências de EJA. O referencial teórico está pautado numa concepção da educação crítico-libertadora. A pesquisa filia-se a uma abordagem qualitativa e está organizada numa metodologia de estudo de documentos que examina os registros das experiências premiadas no concurso denominado: “Medalha Paulo Freire”, os procedimentos metodológicos são constituídos pelas práticas diferenciadas de leitura. As considerações finais elucidam que existem paradigmas com diversas intencionalidades ao direito à educação das pessoas jovens, adultas e que esses paradigmas estão presentes nas políticas e práticas de EJA, em condição de disputas. Além disso, retrata a importância de articular o paradigma de Educação ao Longo da Vida e Educação Popular, de modo a fortalecer atendimentos em perspectiva emancipatória e democrática.

Palavras-chave: EJA. Direito à educação. Paradigmas educacionais.


Palavras-chave


EJA. Paradigmas educacionais. Direito à educação

Texto completo:

PDF

Referências


ADORNO, Theodor W. Educação e emancipação. Tradução de Wolfgang Leo Maar. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 2012.

ARROYO, M. G. Currículo, Território em Disputa. Petrópolis, RJ: Vozes, 2013.

BARROS, Rosanna. Genealogia dos conceitos em educação de adultos: Da educação permanente à aprendizagem ao longo da vida: um estudo sobre os fundamentos político pedagógicos da prática educacional. Lisboa: Chiado, 2011.

BAUMAN, Zygmunt. Modernidade e ambivalência. Tradução de Marcos Penchel. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 1999.

BRASIL. Ministério da Educação. Experiências premiadas no concurso “Medalha Paulo Freire”. Brasília, DF, 2005.

BRASIL. Ministério da Educação. Experiências premiadas no concurso “Medalha Paulo Freire”. Brasília, DF, 2006.

BRASIL. Ministério da Educação. Experiências premiadas no concurso “Medalha Paulo Freire”. Brasília, DF, 2009.

BRASIL. Ministério da Educação. Experiências premiadas no concurso “Medalha Paulo Freire”. Brasília, DF, 2010.

BRASIL. Ministério da Educação. Experiências premiadas no concurso “Medalha Paulo Freire”. Brasília, DF, 2011.

BRASIL. Ministério da Educação. Experiências premiadas no concurso “Medalha Paulo Freire”. Brasília, DF, 2012.

BRASIL. Ministério da Educação. Concessão da Medalha Paulo Freire: Secretaria de Educação Continuada Alfabetização, Diversidade e Inclusão- SECADI. Brasília, DF, 2015. Edital nº2, de 26 de maio de 2015- Disponível em: https://www.paulofreire.org/images/pdfs/Edital_MPF_2015.pdf. Acesso em: 22 ago. 2020.

CANÁRIO, Rui. Educação de adultos: um campo e uma problemática. Lisboa: Educa, 1999.

COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS. Projecto de relatório conjunto do conselho e da comissão, de 2012, sobre a aplicação do quadro estratégico para a cooperação europeia no domínio da educação e da formação (EF 2020). Educação e formação numa Europa inteligente, sustentável e inclusiva. Bruxelas, 2011. Disponível em:http://www.umic.pt/images/stories/publicacoes6/com2011_0902pt01.pdf. Acesso em: 10 jan. 2020.

CONFERÊNCIA INTERNACIONAL SOBRE A EDUCAÇÃO DE ADULTOS. Declaração de Hamburgo: uma agenda para futuro. (V:1997, Hamburgo, Alemanha). Brasília: SESI/ UNESCO, 1999.

DARDOT, Pierre; LAVAL, Christian. A nova razão do mundo: ensaio sobre a sociedade neoliberal. São Paulo: Boitempo, 2016.

DUSSEL, Enrique. Ética da libertação na idade da globalização e da exclusão. 2. ed. Tradução de Ephraim F. Alves; Jaime A. Clasen; Lúcia M. E. Orth. Petrópolis, RJ: Vozes, 2012.

FREIRE, Paulo. A educação na cidade. 7. ed. São Paulo: Cortez, 2006.

FREIRE, Paulo. Pedagogia do oprimido. 11. ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 2010.

FREITAS, Luiz Carlos de. A reforma empresarial da educação: nova direita, velhas ideias. 1ed. São Paulo: Expressão Popular, 2018.

GADOTTI, Moacir. Educação popular e educação ao longo da vida. In: NACIF, Paulo Gabriel Soledade et al. (org.). Confintea Brasil +6: tema central e oficinas temáticas. Brasília: MEC, p. 50-69, 2016. (Coletânea de textos).

HADDAD, Sérgio; PIERRO, Maria Clara di. Transformações nas políticas de educação de jovens e adultos no Brasil no início do terceiro milênio: uma análise das agendas nacional e internacional. Cad. CEDES vol. 35n. 96. Cad. Campinas maio/ago. 2015. Disponível em: https://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S010132622015000200197&lng=pt&tlng=pt. Acesso em: 14 mar. 2020.

IRELAND, D. Timothy (org.). Educação de adultos em retrospectiva: 60 anos de CONFINTEA. Brasília: UNESCO; MEC, 2012.

IBGE. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Contínua Educação 2019. IBGE, 2020. Disponível em: https://biblioteca.ibge.gov.br/visualizacao/livros/liv101736_informativo.pdf. Acesso em: 25 de set de 2020.

KNOLL Joachim H. A história das Conferências Internacionais da UNESCO sobre a Educação de Adultos - de Elsinore (1949) a Hamburgo (1997): a política internacional de educação de adultos através das pessoas e dos programas. In: IRELAND, D. Timothy et al (org.). Educação de adultos em retrospectiva: 60 anos de CONFINTEA. Brasília: UNESCO; MEC, p. 13-29. 2012.

LÖWY, M. Romantismo e messianismo: ensaios sobre Lukács e Benjamin. São Paulo: Perspectiva, 1990.

MORAES, Maria Cândida. O paradigma educacional emergente: implicações na formação do professor e nas práticas pedagógicas. Em Aberto: Brasília, n.70, abr./jun.1996. Disponível em: http://rbep.inep.gov.br/index.php/emaberto/article/view/1053/955. Acesso em: 12 jun. 2020.

RODRIGUES, Marilda. M. Matrizes e repercussões da educação ao longo da vida como política educacional. In: EVANGELISTA, Olinda (org.). O que revelam os slogans na política educacional. São Paulo: Junqueira & Marin, 2014. p. 203-238.

SALVADOR, A. D. Métodos e técnicas de pesquisa bibliográfica. Porto Alegre: Sulina, 1986.

SANDER, B. Polícas Públicas e Gestão Democráca da Educação. Brasília: ZIBAS, 2005.

SILVA, Adriana Pereira da. O direito à educação de jovens e adultos: da denúncia ao anúncio de uma perspectiva crítico-libertadora. 156 f. Tese (Doutorado em Educação) ‒ Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, São Paulo, 2017.

VALDÉS, Raul (coord.). Contribuições conceituais da educação de pessoas e jovens e adultas: rumo a construção de sentidos comuns na diversidade. Trad. Daniele Martins Zenaide Romanovsky. Goiânia: Ed. UFG, 2014.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.




A Revista EJA em Debate está indexada ao Livre!, ao SEER, à Sumários de Revistas Brasileiras e ao Periódicos CAPES

ISSN ELETRÔNICO 2317-1839                     ISSN IMPRESSO - 2316-4417

Qualis: B3