POLÍTICAS EDUCACIONAIS: GESTÃO DOS IMPASSES DO ENSINO-APRENDIZAGEM NA PERSPECTIVA DE DOCENTES E DISCENTES DA EJA

Ruan Carlos dos Santos, Katia Santos

Resumo


Esta pesquisa, que busca aprofundar os estudos sobre a  Educação de Jovens e Adultos (EJA), tem como objetivo geral identificar os principais impasses e desafios vivenciados pelos professores dessa modalidade de educação em um contexto educativo. Em termos metodológicos, esta pesquisa é de natureza qualitativa, tendo como modalidade principal o estudo de caso e, como modalidades secundárias, a pesquisa documental, que propiciou a análise do Projeto Político-pedagógico, Regimento Escolar e Plano Curricular, bem como a bibliográfica, constituída a partir da leitura de artigos e teses sobre o assunto; a de campo, que comportou o uso de entrevistas estruturadas destinadas aos docentes e questionários direcionados aos discentes, com observação participante. A pesquisa foi  realizada de abril de 2018 a fevereiro de 2019 nas Unidades Descentralizadas (UD’s) do Vale do Rio Tijucas da Secretaria Estadual de Educação de Santa Catarina que atende o Ensino Fundamental (5º ao 9º ano) e o Ensino Médio (1º ao 3º ano) da EJA nos três turnos do dia. Os resultados indicam que há déficit na capacitação docente; falta de material didático específico para os alunos da EJA; evasão de alunos e necessidade de adaptar os documentos norteadores do trabalho pedagógico às especificidades do público atendido. Conclui-se que a gestão da Educação de Jovens e Adultos necessita de maior atenção no que tange às questões básicas da educação, exige a efetivação da gestão democrática e metodologia de ensino diferenciada, para garantir melhor qualidade de ensino da Educação de Jovens e Adultos.



Palavras-chave


Gestão escolar. Educação de Jovens e Adultos. Escolarização.

Texto completo:

PDF3

Referências


ALARCÃO, I. Professores reflexivos em uma escola reflexiva. 3. ed. São Paulo: Cortez, 2004.

AMORIM, A. Políticas públicas em educação, tecnologia e gestão do trabalho docente. Salvador: EDUNEB, 2012.

AMORIM, A. et al (org.). Educação e contemporaneidade: processos e metamorfoses. Rio de Janeiro: Editora Quartet, 2009.

ARROIO, M. Educação de jovens-adultos: um campo de direitos e de responsabilidade pública. In: SOARES, L.; GIOVANETTI, M. A. G.; LINO, N. (orgs.). Diálogos na educação de jovens e adultos. 2. ed. Belo Horizonte: Autêntica, 2005.

ARROYO, M. Outros sujeitos, outras pedagogias. Petrópolis, RJ: Vozes, 2012.

BARCELOS, V. Educação de Jovens e Adultos. Petrópolis. RJ: Vozes, 2010.

BARONE, R. R. M. Educação e políticas: questões para o debate. Boletim Técnico do SENAC, São Paulo, v. 26, n. 3, 2000.

BEGOT, M. G. S.; MARLENE, M. J. C. Gestão Escolar: numa perspectiva democrática. Monografia de Conclusão de Graduação. Centro de Ciências Humanas – Universidade da Amazônia. Belém, 2002.

BITTAR, M.; OLIVEIRA, J. Gestão e Políticas da Educação. Rio de Janeiro: DP&A, 2004.

BRASIL. Lei 9394/96, Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/L9394.htm. Acesso em: 3 jul. 2017.

CALHÁU, M. do S. M. Planejamento e avaliação. In: Salto para o futuro: Educação de jovens e adultos. Brasília, v. 10, p. 53-61, 1999.

CAVACO, M. H. Ofício de professor: o tempo e as mudanças. In: NÓVOA, A. (org.). Profissão professor. Porto: Porto Editora, 1992.

CONTRERAS, J. A autonomia de professores. São Paulo: Cortez, 2002.

DENZIN, N.K.; LINCOLN, Y.S. O planejamento da pesquisa qualitativa. Porto Alegre: Penso, 2006.

FERNANDES, M. E. Memória Camponesa. In: Anais da 21ª Reunião Anual de Psicologia, SPRP, Ribeirão Preto, 1991.

FLICK, U. Introdução à pesquisa qualitativa. 3. ed. Porto Alegre: Artmed, 2009.

FREIRE, P. Educação como prática da liberdade. 16. ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 2007.

FREITAS, K. S. de. Gestão da Educação: a formação em serviço como estratégia de melhoria da qualidade do desempenho escolar. In: CUNHA, M. C. (org.). Gestão Educacional nos Municípios. Salvador: EDUFBA, 2009.

FREIRE, P. Pedagogia da autonomia: saberes necessários à prática educativa. São Paulo: Paz e terra, 1996.

FUCK I. T. Alfabetização de adultos: relato de uma experiência construtivista. Petrópolis: Vozes, 1993.

GAGNO, R. R.; PORTELA, M. S. Gestão e Organização da Educação de Jovens e Adultos: Perspectiva de Prática Discente. São Paulo, 2003.

GATTI, B. A construção da pesquisa em educação no Brasil. Brasília: Liber Livro Editora, 2012.

GIL, A. C. Métodos e técnicas de pesquisa social. 5. ed. São Paulo: Atlas, 1999.

GIL, A. C. Como elaborar projetos de pesquisa. 4. ed. São Paulo: Atlas, 2008.

GIROUX, H. A. Os professores como intelectuais: rumo a uma pedagogia crítica da aprendizagem. Porto Alegre: Artmed, 1997.

GOLDENBERG, M. A arte de pesquisar: como fazer pesquisa qualitativa em Ciências Sociais. Rio de Janeiro: Record, 1999.

KUHN, T. A estrutura das revoluções científicas. São Paulo: Perspectiva, 1982.

LEÃO, D. O. de. Docência e alfabetização na EJA: espaços e tempos de formação cotidiana. In: GUSTASACK, F.; VIEGAS, M. F.; BARCELOS, V. (Orgs). Educação de Jovens e Adultos: Saberes e Fazeres. Santa Cruz do Sul: EDUNISC, 2007.

LIMA, J. S.; SILVA, M. S.; SANTOS, C. L. N. dos. Gestão e qualidade na EJA: contribuições para pensar a escola de jovens e adultos. In: AMORIM, A. FERREIRA, M. da C. A.; ALVES, E. V. (Orgs.). Gestão escolar, políticas públicas, projeto pedagógico em Educação de Jovens e adultos: os caminhos transformadores da qualidade da escola pública da EJA. Salvador: EDUNEB, p. 69-81, 2015.

LUCK, H. Gestão educacional: uma questão paradigmática. 11.ed. Petrópolis: Vozes, 2014.

LUCK, H. Dimensões da Gestão Escolar e suas Competências. Curitiba: Positivo, 2008.

LUCK, H. Em Aberto. Brasília, v. 17, n. 72, p. 7-10, fev./jun. 2000.

MACHADO, M. M. A prática e a formação de professores na EJA: uma análise de dissertações e teses produzidas no período de 1986 a 1998. In: Reunião anual da ANPED, 23, Caxambu, 2000.

MEYER, C. Educar para a diversidade e cidadania: construindo a Educação. São Paulo, 2008.

MINAYO, M. C. S. O desafio do conhecimento. Pesquisa qualitativa em saúde. 9 ed. São Paulo: Hucitec, 2006.

MOLL, J. EJA como política pública local: atores sociais e novas possibilidades educativas. Educação e Realidade. Porto Alegre, v. 01, n. 01, p. 09-24, jul/dez. 2004.

NÓVOA, A. (org.). Vidas de professores. Portugal: Porto, 1995.

OLIVEIRA, I. B. Reflexões acerca da organização curricular e das práticas pedagógicas na EJA. Educar, n. 29, p. 83-100, 2007.

SATYRO, N.; SOARES, S. A infraestrutura das escolas brasileiras de ensino fundamental: um estudo com base nos censos escolares de 1997 a 2005. Brasília: IPEA, 2007.

SCHMITZ, E. Fundamentos da Didática. 7. ed. São Leopoldo: UNISINOS, 1993.

SOARES, L.; GIOVANETTI, M.A.; GOMES, N. L. Diálogo na educação de jovens e adultos. Belo Horizonte: Autêntica, 2005.

TARDIF, M. Saberes docentes e formação profissional. 5. ed. Petrópolis: Vozes, 2005.

TRIVIÑOS, A. N. S. Introdução à pesquisa em ciências sociais: a pesquisa qualitativa em educação. São Paulo: Atlas, 1987.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.




A Revista EJA em Debate está indexada ao Livre!, ao SEER, à Sumários de Revistas Brasileiras e ao Periódicos CAPES

ISSN ELETRÔNICO 2317-1839                     ISSN IMPRESSO - 2316-4417

Qualis: B3