ENSINO DE BIOLOGIA PARA A EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS – DESAFIOS PARA UMA FORMAÇÃO QUE PROPORCIONE O DESENVOLVIMENTO HUMANO

Rones de Deus Paranhos, Maria Helena da Silva Carneiro

Resumo


Este ensaio objetiva estabelecer um paralelo entre as características da educação escolar na sociedade capitalista com as características do público da Educação de Jovens e Adultos (EJA) e projeto formativo em seu atual formato, localizando o ensino de biologia nas contradições levantadas. O formato da educação de adultos na história da educação brasileira não representa uma constante, pois sua organização e modos de oferecimento estiveram ligados a diferentes contextos político-econômicos do Brasil. Quando tomada a educação de adultos na relação com a instituição escola, há de se considerar ainda que a educação escolar na sociedade capitalista se constituiu num campo de disputa, pois ela materializa os interesses de classe, reproduzindo assim, as relações sociais de produção. Contudo, por meio de suas contradições, a escola representa para o público da EJA a possibilidade de desenvolvimento humano via a aprendizagem dos conhecimentos (artísticos, científicos, estéticos e filosóficos) historicamente produzidos. Com essas premissas, defende-se que ensinar biologia na EJA pressupõe compreender que essa atividade se dá numa escola que está alinhada aos interesses do modo de produção. O ensino de biologia que se processa na escola de jovens e adultos trabalhadores demanda, ter no horizonte, o desenvolvimento de um trabalho pedagógico que considere essas mediações, pois do contrário, esse ensino continuará corroborando com os processos de marginalização reiterada e institucionalizada pelos quais os educandos da EJA têm sido submetidos. 


Palavras-chave


Educação Escolar. EJA. Ensino de Biologia.

Texto completo:

PDF

Referências


ALVES, T. et al. Jovens e adultos não escolarizados - uma multidão de invisíveis. In:

OLIVEIRA, E. C.; CEZARINO, K. R. A., et al (Ed.). Educação de jovens e adultos: trabalho e formação humana. São Carlos: Pedro & João Editores, 2014. p.167-190.

ARROYO, M. A educação de jovens e adultos em tempos de exclusão. In: Construção coletiva: contribuições à educação de jovens e adultos. Brasília: UNESCO, MEC, RAAAB, 2005. p.221-241.

CARRANO, P. C. R. Identidades juvenis e escola. In: Construção coletiva: contribuições à educação de jovens e adultos. Brasília: UNESCO, MEC, RAAAB, 2005. p.153-164.

CATELLI-JR, R.; ESCOURA, M. Sujeitos da diversidade: a agenda LGBT na educação de jovens e adultos. Olh@res, São Paulo, v.4, n.1, p.226-245, maio, 2016.

CONAE 2010. Documento final. Construindo o Sistema Nacional Articulado de Educação: o Plano Nacional de Educação, Diretrizes e Estratégias de Ação. Brasília: MEC, 2010.

CURY, C. R. J. Educação e contradição: elementos metodológicos para uma teoria crítica do fenômeno educativo. 7. ed. São Paulo: Cortez, 2000.

DUARTE, N. A individualidade para si: contribuição a uma teoria histórico-crítica da formação do indivíduo. 3. ed. Campinas: Autores Associados, 2013.

ECHEVERRÍA, A. R. Dimensão empírico-teórica no processo de ensino-aprendizagem do conceito de soluções no ensino médio. 1993. Tese (Doutorado). Faculdade de Educação, Universidade Estadual de Campinas, Campinas, SP.

ENGUITA, M. F. A face oculta da escola: educação e trabalho no capitalismo. Porto Alegre: Artes Médicas, 1989.

FRIGOTTO, G. A produtividade da escola improdutiva: um (re)exame das relações entre educação e estrutura econômico-social capitalista. 9. ed. São Paulo: Cortez, 2010a.

FRIGOTTO, G. Educação e a crise do capitalismo real. 6. ed. São Paulo: Cortez, 2010b.

FURINI, D. R. M.; DURAND, O. C. D. S.; SANTOS, P. D. Sujeitos da educação de jovens e adultos, espaços e múltiplos saberes. In: LAFFIN, M. H. L. F. (org.). Educação de jovens e adultos: educação na diversidade. Florianópolis: Universidade Federal de Santa Catarina, 2011. p.160-244.

HOBSBAWM, E. J. A era das revoluções, 1780 - 1848. 34. ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 2014.

HOBSBAWM, E. J. A era do capital, 1848 - 1875. 23. ed. São Paulo: Paz e Terra, 2015a.

HOBSBAWM, E. J. A era dos impérios, 1875 - 1914. 19. ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 2015b.

LOMBARDI, J. C. Educação e ensino na obra de Marx e Engels. Campinas: Editora Alínea, 2011.

MACHADO, M. M. A educação de jovens e adultos no Brasil pós-Lei nº 9.394/96: a possibilidade de constituir-se como política pública. Em Aberto, Brasília, v. 22, n. 82, p.17-39, 2009.

MACHADO, M. M. Quando a obrigatoriedade afirma e nega o direito à educação. Retratos da Escola, Brasília, v. 4, n. 7, p. 245-258, jul./dez., 2010.

MACHADO, M. M..; RODRIGUES, M. E. C. A EJA na próxima década e a prática pedagógica do docente. Retratos da Escola, Brasília, v. 8, n. 15, p. 383-395, jul./dez., 2014.

MARX, K. Prefácio a Para a crítica da Economia Política. In: NETTO, J. P. (org.). O leitor de Marx. Rio de Janeiro, RJ: Civilização Brasileira, 2012. p.267-273.

MÉSZÁROS, I. A educação para além do capital. 2. ed. São Paulo: Boitempo, 2008.

NASCIMENTO-JR, A. F.; SOUZA, D. C.; CARNEIRO, M. C. O conhecimento biológico nos documentos curriculares nacionais do ensino médio: uma análise histórico-filosófica a partir dos estatutos da biologia. Investigações em Ensino de Ciências, Porto Alegre, v. 16, n. 2, p. 223-243, 2011.

OLIVEIRA, B. A prática social global como ponto de partida e de chegada da prática educativa. In: OLIVEIRA, B.; DUARTE, N. (org.). Socialização do saber escolar. São Paulo: Cortez, 1990b. p.91-104.

OLIVEIRA, B. A socialização do saber sistematizado e a dimensão política da prática especificamente pedagógica. In: OLIVEIRA, B..; DUARTE, N. (org.). Socialização do saber escolar. São Paulo: Cortez, 1990a. p.11-46.

PARANHOS, R. D. Ensino de Biologia na Educação de Jovens e Adultos: o pensamento político-pedagógico da produção científica brasileira. Brasília – DF, 2017. 229f. Tese (Doutorado – Doutorado em Educação). Faculdade de Educação, Universidade de Brasília.

PARANHOS, R. D.; FIRMINO, S. G. "Professor, onde eu encontro células no meu corpo?": as necessidades formativas do professor de biologia para atuar na EJA. In: GUIMARÃES, S. S. M. et al (org.). Formação de professores de biologia: os desa(fios) da trama. São Carlos: Pedro & João Editores, 2013. p.87-106.

PINTO, A. V. Sete lições sobre educação de adultos. 16. ed. São Paulo: Cortez, 2010.

ROSSI, W. G. Capitalismo e educação: contribuição ao estudo crítico da economia da educação capitalista. São Paulo: Cortez & Moraes, 1978.

SARTORI, A. Legislação, políticas públicas e concepções de educação de jovens e adultos. In: LAFFIN, M. H. L. F. (org.). Educação de jovens e adultos e educação na diversidade. Florianópolis: Universidade Federal de Santa Catarina, 2011. p.12-125.

SAVIANI, D. Escola e Democracia. 42. ed. Campinas: Autores Associados, 2012.

SAVIANI, D. Pedagogia Histórico-Crítica. 11. ed. Campinas: Autores Associados, 2013.

SOUTO, R. B. Prática docente e currículo na educação de jovens e adultos. In: LAFFIN, M. H. L. F. (org.). Educação de jovens e adultos e educação na diversidade. Florianópolis: Universidade Federal de Santa Catarina, 2011. p.280-311.

TUNES, E; PEDROZA, L. P. O silêncio ou a profanação do outro. In: TUNES, E. (org.). Sem escola, sem documento. Rio de Janeiro: E-papers, 2011. p.15-30.

ZORZAL, E. S.; MIRANDA, G.; RODRIGUES, H. J. A. Formação e diversidade dos sujeitos no campo da EJA: a prática de pensar a prática. In: OLIVEIRA, E. C.; CEZARINO, K. R. A., et al (org.). Educação de Jovens e Adultos: trabalho e formação humana. São Carlos: Pedro & João Editores, 2014. p.21-44.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.




A Revista EJA em Debate está indexada ao Livre!, ao SEER, à Sumários de Revistas Brasileiras e ao Periódicos CAPES

ISSN ELETRÔNICO 2317-1839                     ISSN IMPRESSO - 2316-4417

Qualis: B3