AS CAUSAS DA EVASÃO ESCOLAR NA EJA: UMA CONCEPÇÃO HISTÓRICA

Rita de Cássia Santos da Silva, Evanilde Almeida Araújo Sousa, Joane Mary Araújo de Queiroz, Joelson Alves Onofre

Resumo


Este artigo discute as causas da evasão escolar na EJA – Educação de Jovens e Adultos - a partir de uma concepção histórica. O objetivo central foi analisar as causas da evasão na EJA, no contexto brasileiro, elencando os motivos pelos quais os estudantes desta modalidade de ensino evadem da escola e os desafios para se retornar aos espaços escolares. Metodologicamente, uma pesquisa bibliográfica foi feita, propondo discutir questões relevantes relacionadas às especificidades da EJA. Percebeu-se que dois fatores contribuem para a evasão de jovens e adultos nas escolas brasileiras: os socioculturais, agregados às relações familiares e econômicas e o método de ensino aplicado nas salas de aula que não condiz com o perfil de estudantes dessa modalidade. Considera-se importante que existam políticas públicas direcionadas à permanência deste público na escola e que os métodos e estratégias de ensino correspondam às expectativas destes sujeitos, oportunizando emancipação na sociedade em que vivem.

 


Texto completo:

PDF

Referências


ARROYO, M. Educação de Jovens e Adultos: Um campo de direitos e de responsabilidade pública. In: GIOVANETTI, M. A.; GOMES, N. L.; SOARES, L. (Orgs.). Diálogos na Educação de Jovens e Adultos. Belo Horizonte: Autêntica, 2005. p. 19‐50.

ARROYO, M. A educação de jovens e adultos em tempos de exclusão. In: Construção coletiva: contribuições à educação de jovens e adultos. Ministério da Educação. 2. ed. Brasília: UNESCO, MEC, RAAAB, 2006.

BRASIL. Ministério da Educação. Educação para jovens e adultos – ensino fundamental – proposta curricular – primeiro segmento. Coordenação e texto final (de) Vera Maria Masagão Ribeiro. São Paulo: Ação Educativa. Brasília, MEC, 2001. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/secad/arquivos/pdf/eja/propostacurricular/primeirosegmento/propostacurricular.pdf. Acesso em: 14 out. 2018.

BRASIL. Ministério da Educação. Lei nº 9.394, de 20 de dezembro de 1996. Estabelece as diretrizes e bases da educação nacional.

BRASIL. [Constituição (1988)]. Constituição da República Federativa do Brasil de 1998. Brasília: Senado Federal, 1988. Disponível em: https://legislacao.planalto.gov.br/legisla/legislacao.nsf/viwTodos/509f2321d97cd2d203256b280052245a?OpenDocument&Highlight=1,constitui%C3%A7%C3%A3o&AutoFramed. Acesso em: 20 fev. 2017.

BRASIL. Resolução CNE/CEB n. 1/2000. Estabelece as Diretrizes Curriculares para a Educação de Jovens e Adultos. Brasília, 2000.

BRASIL. Ministério da Educação. Base Nacional Comum Curricular (BNCC). Educação é a Base. Brasília, MEC/CONSED/UNDIME, 2017. Disponível em: http://basenacionalcomum.mec.gov.br/wp-content/uploads/2018/02/bncc-20dez-site.pdf. Acesso em: 10 nov. 2018.

BRASIL. Conferência Nacional da Educação Básica. Documento final. 2008. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/arquivos/conferencia/documentos/doc_final.pdf. Acesso em: 10 abr. 2018.

CAMPOS, E. L. F.; OLIVEIRA D. A. A Infrequência dos Alunos adultos trabalhadores, em processo de alfabetização, na Universidade Federal de Minas Gerais. 2003. Dissertação (Mestrado em Educação) – Faculdade de Educação, Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte, 2003.

COSTA, M. do S.; SILVA, V. P. da. Educação de jovens e adultos, evasão escolar e carteira estudantil: desafios na escola estadual Tiradentes. 2015. Disponível em: http://www.coipesu.com.br/upload/trabalhos/2015/14/educacao-de-jovens-e-adultos-evasao-escolar-e-carteira-estudantil-desafios-na-escola-estadual-tiradentes.pdf. Acesso em: 10 abr. 2018.

FREIRE, P. Pedagogia da Autonomia: Saberes necessários à prática educativa. 37. ed. São Paulo: Paz e Terra, 1996.

FREIRE, P. Conscientização: teoria e prática da libertação: uma introdução ao

Pensamento de Paulo Freire. São Paulo Moraes, 1979.

FREIRE, A. M. A. Analfabetismo no Brasil: da ideologia da interdição do corpo à ideologia nacionalista, ou como deixar sem ler e escrever desde as Catarinas (Paraguaçu), Filipas, Madalenas, Anas, Genebras, Apolônias e Grácias até os Severinos. São Paulo: Cortez, 1989.

GADOTTI, M.; ROMÃO, J. E. (Orgs.). Educação de Jovens e Adultos:

teoria prática e proposta. São Paulo: Cortez, Instituto Paulo Freire, 1995.

LOPES, S. P., SOUZA, L. S. EJA: uma educação possível ou mera utopia? 2010. Disponível em: http://www.forumeja.org.br. Acesso em: 31 jan. 2017.

PINTO, A. V. Sete lições sobre educação de adultos. 10. ed. São Paulo: Autores Associados, 1991.

RIBEIRO, V. M. M. et al. Educação de Jovens e Adultos: Proposta curricular para o 1º segmento do ensino fundamental. São Paulo/Brasília, 1987. Disponível em: http://forumeja.org.br. Acesso em: 2 jan. 2017.

SANTOS, B. (Org.). Democratizar a democracia. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2002.

SANTOS, B. Pela mão de Alice: o social e o político na pós-modernidade. 12. ed. São Paulo: Cortez, 2008.

SANTOS, G. L. dos. Educação ainda que tardia: a exclusão da escola e a reinserção de adultos das camadas populares em um programa de EJA. Revista Brasileira de Educação. n. 24. Set-dez 2003.

TASSINARI, A. M; PUPIN, M. C. N. G. Educação de Jovens e Adultos. Batatais: Claretiano, 2015.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.




A Revista EJA em Debate está indexada ao Livre!, ao SEER, à Sumários de Revistas Brasileiras e ao Periódicos CAPES

ISSN ELETRÔNICO 2317-1839                     ISSN IMPRESSO - 2316-4417

Qualis: B3