CRISE DO CAPITAL, RECOMPOSIÇÃO BURGUESA E IMPACTOS NA GESTÃO DA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS NO BRASIL

Rodrigo Coutinho Andrade, José dos Santos Souza

Resumo


No contexto de crise estrutural do capital, a oferta da Educação de Jovens e Adultos (EJA) atravessa um processo de reestruturação de acordo com as demandas da recomposição burguesa, tanto por meio da focalização da oferta para a população jovem, assim como a redefinição da gestão ancorada nos pressupostos do gerencialismo, quanto nos pressupostos político-pedagógicos, através do recrudescimento da teoria do capital humano e da teoria do capital social. Tais mudanças se inserem no conjunto de ações do Estado após a reforma gerencial, objetivando a produção de mecanismos de harmonização do conflito de classes, para a formação do trabalhador de novo tipo. Nosso objetivo é explicitar como o grande capital enquadra países dependentes em determinado receituário de gestão pública, orientando-os, segundo a ideologia gerencialista, e condicionando suas ações no campo da oferta escolar para trabalhadores jovens e adultos. 


Palavras-chave


Estado. Hegemonia. Política Educacional. Educação de Jovens e Adultos.

Texto completo:

PDF

Referências


ALVES, Giovanni. O novo (e precário) mundo do trabalho: reestruturação produtiva e crise do sindicalismo. São Paulo: Boitempo, 2000.

______. Trabalho e subjetividade: o espírito do toyotismo na era do capitalismo. São Paulo: Boitempo, 2011.

ANDERSON, Perry. Balanço do neoliberalismo. In: SADER, E.; GENTILI, P. Pós-neoliberalismo: as políticas sociais e o Estado. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1995.

ANTUNES, Ricardo. As configurações do trabalho na sociedade capitalista. Revista Katálysis, v. 12, n. 2, p. 131-132, 2009.

_______. Adeus ao trabalho?: ensaios sobre as metamorfoses e a centralidade do mundo do trabalho. 15. ed. São Paulo: Cortez, 2011.

BANCO MUNDIAL. Educação para todos: o compromisso de Dakar. Brasília: UNESCO, CONSED, Ação Educativa, 2001. 70 p.

BARREYRO, Gladys Beatriz. Políticas sociais e educação: o Programa Alfabetização Solidária e a participação das Instituições de Ensino Superior na sua implementação. 2005. 214 f. Tese (Doutorado em Educação) – Faculdade de Educação, Universidade de São Paulo, São Paulo. 2005.

BORÓN, Atilio. A sociedade civil depois do dilúvio neoliberal. In: SADER, E.; GENTILI, P. Pós-neoliberalismo: as políticas sociais e o Estado. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1995.

BRASIL. Decreto nº 2.264, de 27 de junho de 1997. Regulamenta a Lei nº 9.424, de 24 de dezembro de 1996, no âmbito federal, e dá outras providências. Brasília, 1997. Disponível em: . Acesso em: 17 jan. 2017.

_______. Decreto nº 5.840, de 13 de julho de 2006. Institui o Programa Nacional de Integração da Educação Profissional com a Educação Básica na Modalidade de Educação de Jovens e Adultos – PROEJA, e dá outras providências. Diário Oficial da União, Brasília, DF, 2006. Disponível em: . Acesso em: 16 jan. 2017.

_______. Decreto nº. 6.253, de 13 de novembro de 2007. Dispõe sobre o Fundo de Manutenção e Desenvolvimento da Educação Básica e de Valorização dos Profissionais da Educação - FUNDEB, regulamenta a Lei nº 11.494, de 20 de junho de 2007, e dá outras providências. Brasília, DF, 2007. Disponível em: . Acesso em: 17 jan. 2017

_______. Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais. Portaria Ministerial n. 2.270, de 14 de agosto de 2002. Institui o Exame Nacional de Certificação de Competências de Jovens e Adultos – ENCCEJA. Brasilia: 2002. Disponível em: . Acesso em: 05 jul. 2017.

_______. Lei nº 9.424, de 24 de dezembro de 1996. Dispõe sobre o Fundo de Manutenção e Desenvolvimento do Ensino Fundamental e de Valorização do Magistério, na forma prevista no art. 60, § 7º, do Ato das Disposições Constitucionais Transitórias, e dá outras providências. Brasília, 1996. Disponível em: . Acesso em: 16 jan. 2017.

_______. Lei nº 11.494, de 20 de junho de 2007. Regulamenta o Fundo de Manutenção e Desenvolvimento da Educação Básica e de Valorização dos Profissionais da Educação - FUNDEB, de que trata o art. 60 do Ato das Disposições Constitucionais Transitórias; altera a Lei no 10.195, de 14 de fevereiro de 2001; revoga dispositivos das Leis nos 9.424, de 24 de dezembro de 1996, 10.880, de 9 de junho de 2004, e 10.845, de 5 de março de 2004; e dá outras providências. Diário Oficial da União, Brasília, DF, 2007. Disponível em: . Acesso em: 16 jan. 2017.

_______. MEC/INEP/DEED – Ministério da Educação / Instituto Nacional de Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira / Diretoria de estatísticas Educacionais. Sinopse Estatística do Censo Escolar de 2007 a 2015. Brasília: 2015. Disponível em: . Acesso em: 20 jan. 2016.

_______. Ministério da Educação. O Plano de Desenvolvimento da Educação. Razões, Princípios e Programas. Brasília, DF: MEC, 2007.

BRAUDEL, Fernand. Reflexões sobre a história. São Paulo: Martins Fontes, 1992.

BRESSER-PEREIRA, Luiz Carlos. Da administração pública burocrática à gerencial. Revista do Serviço Público, 47(1) janeiro,1996.

______. A reforma do Estado dos anos 90: lógica e mecanismos de controle. Lua Nova – revista de cultura e política, n. 45, 1997.

CARVALHO, Marcelo Pagliosa. As políticas para a educação de jovens e adultos nos governos Lula (2003-2010). In: Anpae – Associação Nacional de Política e Administração da Educação. III Congresso Ibero Americano de Política e Administração da Educação. Espanha. 2012, p. 01-15.

CATELLI Jr., Roberto; GISI, Bruna; SERRÃO, Luis Felipe Soares. ENCCEJA: cenário de disputa na educação de jovens e adultos. Revista Brasileira de Estudos Pedagógicos, v. 94, n. 238, p. 721-744, 2013.

CHESNAIS, François. A mundialização do capital. São Paulo: Xamã, 1996.

DI PIERRO, Maria Clara. Notas sobre a redefinição da identidade e das políticas públicas de educação de jovens e adultos. Revista Educação & Sociedade, v. 26, n. 92, p. 1115-1139, out. 2005.

______ et al. A educação de jovens e adultos no Plano Nacional de Educação: avaliação, desafios e perspectivas. Educação & Sociedade, v. 31, n. 112, p. 939-959, 2010.

FÁVERO, Osmar. Políticas Públicas de Educação de Jovens e Adultos no Brasil. In: SOUZA, José dos Sandra; SALES, S. R. Educação de Jovens e Adultos: políticas e práticas educativas. Rio de Janeiro: NAU: EDUR, 2011.

FRIGOTTO, Gaudêncio. A produtividade da escola improdutiva: um (re)exame das relações entre educação e estrutura econômico-social capitalista. 9. ed. São Paulo: Cortez, 2010.

GIDDENS, Anthony. A terceira via: reflexões sobre o impasse político atual e o futuro da social-democracia. Rio de Janeiro: Record, 1999.

GOMES, Ana Valeska Amaral. Educação de jovens e adultos no PNE–2001–2010. Brasília: Estudo/Consultoria Legislativa, 2011.

HARVEY, David. A Condição Pós-moderna. 2. ed. São Paulo: Loyola, 1993.

HAYEK, Friedrich August Von. O caminho da servidão. São Paulo: Instituto Ludwig Von Mises Brasil, 2010.

IBGE. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Pesquisa Nacional de Amostra por Domicílio, 2004 a 2014 - PNAD. Rio de Janeiro: IBGE, 2014. Disponível em: . Acesso em: 17 jan. 2017.

INEP. Censo Escolar da Educação Básica, 2015. Brasília, DF: INEP, 2016. Disponível em: . Acesso em: 16 jan. 2017.

MACIEL, David. O governo Collor e o neoliberalismo no Brasil (1990-1992). Revista UFG, p. 98-108, 2011.

MARTINS, André Silva; NEVES, Lúcia Maria Wanderley (Orgs.). Educação básica: tragédia anunciada? São Paulo: Xamã, 2015.

MÉSZÁROS, István. Para além do capital: rumo a uma teoria da transição. São Paulo: Boitempo, 2002.

RIBEIRO; Ricardo de Souza. SOUZA, José dos Santos. Políticas públicas para a formação profissional e conformação social de jovens: algumas referências preliminares sobre o ProJovem. In: SOUZA, José dos Santos (Org.). Reflexões da prática docente na EJA. Seropédica: EDUR, 2010.

SOUZA, José dos Santos. A EJA no contexto das políticas públicas de inclusão de jovens no mercado de trabalho. In: ______; SALES, Sandra R. (Org.). Educação de Jovens e Adultos: políticas e práticas educativas. Rio de Janeiro: Nau ; EDUR, 2011.

______. A formação do trabalhador no contexto da reconfiguração do trabalho, da produção e dos mecanismos de mediação do conflito de classe. Revista Contemporânea de Educação, v. 10, n. 20, 2015.

UNESCO. Educação: um tesouro a descobrir. 4. ed. São Paulo: Cortez; Brasília, DF: UNESCO, 2000.

UNICEF. Declaração Mundial sobre Educação para todos. Satisfação das Necessidades Básicas de Aprendizagem. Jomtiem, 1990.

VOLPE, Geruza Cristina Meirelles. O financiamento da educação de jovens e adultos no período de 1996 a 2006: farelo de migalhas. Campinas(SP): 2010. 625 f. Tese (Doutorado em Educação) – Faculdade de Educação, Universidade Estadual de Campinas, Campinas. 2010.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.




A Revista EJA em Debate está indexada ao Livre!, ao SEER, à Sumários de Revistas Brasileiras e ao Periódicos CAPES

ISSN ELETRÔNICO 2317-1839                     ISSN IMPRESSO - 2316-4417

Qualis: B3