EDUCAÇÃO PROFISSIONAL PARA ALÉM DA FORMAÇÃO TÉCNICA E TECNOLÓGICA

Ivoneide Bezerra de Araújo Santos Marques, Angela B. Kleiman

Resumo


Este trabalho tem por objetivo apresentar aspectos de um projeto para o letramento de jovens e adultos vinculados à educação profissional na modalidade de EJA. Refletimos sobre as metas do Plano Nacional de Educação (PNE) relativas à EJA e as implicações teórico-metodológicas e éticas decorrentes da adoção da perspectiva dos Estudos do Letramento (KLEIMAN, 1995, 2000; STREET, 1984, 2006) e da Pedagogia Crítica (FREIRE, 1996; GIROUX, 1986; 1997), especialmente, aquelas relativas à formação ampla, não meramente instrumental dos educandos para uma participação plena na vida cidadã. Os dados foram gerados em projetos de letramento desenvolvidos com alunos do PROEJA no Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Norte. Os resultados apontam que os alunos precisam aprender funções para a escrita que não sirvam apenas para instrumentá-los para o trabalho, pois funções voltadas para a formação cidadã podem favorecer o trabalho com o currículo integrado à educação profissional.  


Palavras-chave


Letramentos. Educação profissional. EJA (PROEJA). Projetos de letramento. Currículo emancipatório.

Texto completo:

PDF

Referências


APPLE, M. W. Ideologia e currículo. Porto Alegre: Artes Médicas, 2006.

BAZERMAN, C. Gênero, agência e escrita. São Paulo: Cortez, 2006.

BRASIL. LDB: Lei de diretrizes e bases da educação nacional : Lei nº 9.394, de 20 de dezembro de 1996.11. ed. Brasília Câmara dos Deputados, 2015. (Edições Câmara).

_______. Diretrizes Curriculares Nacionais para a Educação Profissional Técnica de Nível Médio. Brasília: MEC, SEB/DICEI, 2013.

DESCARDECI, M. A. A. S. O concurso público: um evento de letramento em exame. 1992. 140 f. Dissertação (Mestrado em Linguística Aplicada), Universidade Estadual de Campinas - UNICAMP, SP, Campinas, 1992.

FAIRCLOUGH, N. Discurso e mudança social. Brasília: Editora da Universidade de Brasília, 2001.

FREIRE, P. Educação e mudança. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1979.

______. Pedagogia da autonomia: saberes necessários à prática educativa. São Paulo: Paz e Terra, 1996.

FRIGOTTO, G.; CIAVATTA, M.: RAMOS, M. (Orgs.) Ensino Médio Integrado: concepções e contradições. São Paulo: Cortez, 2005.

GEE, J. P. Progressivism, critique, and socially situated minds. In: C. Dudley Marling and C. Edelsky, eds, The fate of progressive language policies and practices. Urbana, IL: NCTE, 2001, p. 31–58.

GIROUX, H. A. Os professores como intelectuais: rumo a uma pedagogia crítica da aprendizagem. Porto Alegre: Artes Médicas, 1997.

_______. Teoria crítica e resistência em educação. Petrópolis/RJ: Vozes, 1986.

KLEIMAN, A. B. (Org.). Os significados do letramento: uma perspectiva sobre a prática social da escrita. Campinas, SP: Mercado de Letras, 1995.

_______. O processo de aculturação pela escrita: ensino de forma ou aprendizagem da função? In: KLEIMAN, A. B.; SIGNORINI, I. O ensino e a formação do professor: alfabetização de jovens e adultos. Porto Alegre: Artes Médicas Sul, 2000. p. 223-243.

______. Letramento na formação do professor – integração a práticas discursivas acadêmicas e construção da identidade profissional. In: CORRÊA, M. L. G.; BOCH, F. (Orgs.). Ensino de língua: representação e letramento. Campinas, SP: Mercado de Letras, 2006, p. 93-106.

_______. Letramento e suas implicações para o ensino de língua materna. Signo, Santa Cruz do Sul, v. 32 n. 53, dez, 2007.

_______. Projetos de letramento na educação infantil. Caminhos em Linguística Aplicada, UNITAU, Vol. 1, n. 1, 2009, p. 1-10.

_______. EJA e o ensino da língua materna: relevância dos projetos de letramento. EJA em Debate, Florianópolis: Instituto Federal de Santa Catarina, v. 1, n. 1, 2012, p. 23-38.

MACEDO, D. Literacies of Power: what Americans are not allowed to know.Westviewpress: Cambridge, 2006.

MCLAREN, P. Culture or canon? Critical pedagogy and the politics of literacy. Harvard Educational Review, v. 58, n. 2, p. 213-234, May 1988.

_____. Multiculturalismo revolucionário: pedagogia do dissenso para o novo milênio. Porto Alegre: Artes Médicas Sul, 2000.

MILLER, C. R. Estudos sobre gênero textual, agência e tecnologia. Recife: Ed. Universitária da UFPE, 2009.

MOURA, D. H.; HENRIQUE, A. L. S. PROEJA: entre desafios e possibilidades. Revista Holos, Ano 28, Vol. 2, 2012, p. 114- 129.

OAKES, Jeannie. Keeping Track, Part 1: The Policy and Practice Of Curriculum Inequality. New Haven, Conn.: Yale University Press, 1985.

OLIVEIRA, M. S.; TINOCO, G. M. A. M.; SANTOS, I. B. A. Projetos de letramento e formação de professores de língua materna. Natal: EDUFRN, 2011.

OLIVEIRA, M. S.; SANTOS, I. B. A. Políticas públicas na educação de jovens e adultos: projetos de letramento, participação e mudança social. EJA em Debate, Instituto Federal de Santa Catarina, v. 1, n. 1, Florianópolis: IFSC, 2012, p. 39-56.

OLIVEIRA, M. S. Letramentos e políticas públicas: a família na escola. In: KLEIMAN, A. B.; ASSIS, J. A. (org.) Significados e Ressignificações do Letramento. Campinas: Mercado de Letras, 2016. p. 253-282.

SANTOS, I. B. A. Projetos de letramento na Educação de Jovens e Adultos: o ensino da escrita em uma perspectiva emancipatória. 312f. 2012. Tese (Doutorado) – Universidade Federal do Rio Grande do Norte – UFRN, Natal, 2012.

STREET, B. Literacy in the theory and practice. Cambridge: Cambridge University Press, 1984.

_____. Perspectivas interculturais sobre o letramento. In: Filologia e Linguística Portuguesa, n. 8. São Paulo: HumanitasFFLCHUSP, p. 465-488, 2006.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.




A Revista EJA em Debate está indexada ao Livre!, ao SEER, à Sumários de Revistas Brasileiras e ao Periódicos CAPES

ISSN ELETRÔNICO 2317-1839                     ISSN IMPRESSO - 2316-4417

Qualis: B3