Políticas Editoriais

Foco e Escopo

A revista Caminho Aberto é uma publicação interdisciplinar, que busca socializar, por meio de artigos científicos e relatos de experiência inéditos, atividades de extensão que tenham o objetivo de desenvolver ações articuladas com o mundo do trabalho e os diversos segmentos sociais, com ênfase na produção, desenvolvimento e difusão de conhecimento científico e tecnológico.

A revista foca-se nos estudos sobre atividades de extensão conforme as diretrizes estabelecidas na RESOLUÇÃO CONSUP Nº 61, DE 12 DE DEZEMBRO DE 2016 do IFSC em concordância com a Política Nacional de Extensão.

Considera-se atividade de extensão aquela ação educacional que envolve INSTITUIÇÃO(ÇÕES) DE ENSINO (servidores e alunos) + "COMUNIDADE".

Entende-se, neste contexto, como "comunidade" qualquer indivíduo ou organização externos a instituição de ensino. Como por exemplo, empresas, governo, ONGs, cooperativas, associações, movimentos sociais, comunidade em geral e demais organizações da sociedade civil.

Os trabalhos devem apresentar de modo explícito a relação da instituição educacional com o ambiente externo. Deste modo, preconizam-se estudos que apresentam os impactos gerados no aluno e na sociedade.

O escopo dos artigos apresentados deve estar em consonância com as áreas temáticas sugeridas pela Rede Nacional de Extensão (RENEX), que são:

Comunicação;
Cultura;
Direitos Humanos e Justiça;
Educação;
Meio Ambiente;
Saúde;
Tecnologia e Produção;
Trabalho.


Assim, a revista Caminho Aberto considera, em concordância com os documentos da CAPES para a área que a Interdisciplinaridade é a “convergência de duas ou mais áreas do conhecimento, não pertencentes à mesma classe, que contribua para o avanço das fronteiras da ciência e tecnologia, transfira métodos de uma área para outra, gerando novos conhecimentos ou disciplinas e faça surgir um novo profissional com um perfil distinto dos existentes, com formação básica sólida e integradora”.
Nesse sentido, espera-se que os trabalhos produzidos a partir de projetos de extensão levem em considerações os aspectos aqui citados.

 

É FUNDAMENTAL CONSIDERAR AS ESPECIFICIDADES DA EXTENSÃO.

Por isso, a avaliação dos trabalhos baseia-se em dois grupos de princípios: aqueles relacionados à própria natureza do que é a extensão e princípios preconizados pela área Interdisciplinar da CAPES.

1º.) Princípios relacionados à natureza da extensão

Neste grupo estão os princípios do IMPACTO NA FORMAÇÃO DO ALUNO, IMPACTO E TRANSFORMAÇÃO SOCIAL, INTERAÇÃO DIALÓGICA, INTERDISCIPLINARIDADE, INDISSOCIABILIDADE ENSINO-PESQUISA-EXTENSÃO.

  • Apresenta explicitamente ou justifica-se a partir de uma demanda externa / da comunidade (comunidade, empresas, governo e demais organizações da sociedade civil) para a realização da atividade de extensão.
  • Evidencia a participação da comunidade externa, inclusive na concepção das ações (INTERAÇÃO DIALÓGICA).
  • Explicita a participação de discente/s como protagonistas da atividade (IMPACTO NA FORMAÇÃO DO ESTUDANTE).
  • Apresenta estratégias e procedimentos que visam a integração entre ensino, pesquisa e extensão (INDISSOCIABILIDADE).
  • A proposta é executada por membros de diversas áreas/disciplinas/cursos e setores contemplando aspectos da INTERDISCIPLINARIDADE E INTERSETORIALIDADE.
  • Apresenta os impactos/transformações gerados na comunidade externa (IMPACTO E TRANSFORMAÇÃO SOCIAL).
  • Explicita os IMPACTOS NA FORMAÇÃO DO ESTUDANTE.

2º.) Princípios defendidos pela área Interdisciplinar da CAPES

Os princípios do pensamento complexo e interdisciplinar que o documento da área na CAPES sugere, preconizados também pela revista Caminho Aberto, são:
- Promover a abertura para o enfrentamento de novas perspectivas teórico-metodológicas de pesquisa, ensino e inovação.
- Atender aos desafios epistemológicos que a inovação teórica e metodológica apresenta às pesquisas e ao ensino interdisciplinares, o que requer diálogos cada vez mais estreitos entre disciplinas de diferentes áreas do conhecimento e das áreas entre si, assim como destas com as filosofias das ciências, em suas diferentes vertentes.
- Promover a incorporação de metodologias interdisciplinares nos projetos de pesquisa dos docentes e discentes.
- Reconhecer que diferentes concepções podem ser adotadas nas pesquisas e no ensino interdisciplinar, pois é possível construir significados distintos, valorizando e reconhecendo a diversidade que a área comporta.
- Aprofundar as características definidoras dos conceitos de pluri, multi e interdisciplinaridade, seus diferentes contextos teórico-metodológicos tendo em vista suas relações e diferenciações, possibilidades e limites, a fim de melhor embasar as definições de propostas de ensino e pesquisa, suas linhas inovadoras, assim como as avaliações dos diferentes programas da Área Interdisciplinar.

 

Políticas de Seção

Artigos

Não verificado Submissões abertas Verificado Indexado Verificado Avaliado pelos pares

Relatos de Experiência

Não verificado Submissões abertas Verificado Indexado Verificado Avaliado pelos pares

Editorial

Editores
  • Douglas Juliani
Não verificado Submissões abertas Verificado Indexado Não verificado Avaliado pelos pares

Entrevista

Editores
  • Marcus Vinícius Gelsleuster
  • Douglas Juliani
Não verificado Submissões abertas Verificado Indexado Não verificado Avaliado pelos pares

Apresentação

Editores
  • Marcus Vinícius Gelsleuster
  • Douglas Juliani
Não verificado Submissões abertas Verificado Indexado Não verificado Avaliado pelos pares
 

Processo de Avaliação pelos Pares

A decisão de aceite para publicação será baseada na recomendação de no mínimo dois avaliadores e, se necessário, de um membro do conselho editorial ou um terceiro avaliador. A avaliação de cada submissão é realizada às cegas (os avaliadores não tem acesso aos autores).
Somente os trabalhos aprovados por dois avaliadores serão encaminhados para publicação, quando serão publicados integralmente. O(s) autor(es) deve(em) manter seu arquivo para eventuais modificações sugeridas pelos revisores, visto que os originais enviados não serão devolvidos.

Tempo médio de avaliação: 2 meses

Avaliação realizada em duas etapas

Após a aprovação na etapa 02 o manuscrito é enviado para revisão textual (etapa 03). Finalizada a revisão e respectivos ajustes, o trabalho está apto a ser publicado.

As edições são compostas e mais uma revisão final é feita antes da publicação definitiva da edição. 

 

Periodicidade

Periodicidade de publicação semestral, em Julho (período de janeiro a Junho) e Dezembro (período de Julho a Dezembro ).

Período de submissões: A revista recebe submissões de 01 de Novembro a 28 de Fevereiro.

 

 

 

 

Política de Acesso Livre

Esta revista oferece acesso livre imediato ao seu conteúdo, seguindo o princípio de que disponibilizar gratuitamente o conhecimento científico ao público proporciona maior democratização do conhecimento.

 

Indexação

BASES DE DADOS

- Latindex

- Portal de Periódicos - CAPES

Portais e Diretórios de Periódicos

- Diretório de Políticas Editorias das Revistas Científicas Brasileiras - Diadorim

WorldWideScience.org (Canada)

Biblioteca CCG-IBT UNAM