TECNOLOGIAS DE INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO: APROPRIAÇÕES NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS

Kamylla Pereira Borges, Cláudia Helena Dos Santos Araújo, Érika Marinho Witeze, Wilian Cândido Corrêa

Resumo


 A relação entre a Educação de Jovens e Adultos (EJA) e a apropriação das tecnologias é complexa, pois os alunos da EJA advêm da classe trabalhadora e foram constituídos por um processo histórico de marginalização e exclusão social. Assim sendo, o objetivo deste trabalho é refletir sobre a apropriação das Tecnologias de Informação e Comunicação (TIC) nas práticas pedagógicas de docentes da EJA do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Goiás/Campus Anápolis-GO. Para tanto, foi realizada uma pesquisa de natureza qualitativa, do tipo exploratória, descritiva e analítica fundamentada nos pressupostos da Teoria Histórico-Cultural. A pesquisa utilizou como instrumento para organização dos dados um questionário proposto para 26 professores da EJA do campus. Os resultados demonstraram que muitos dos professores ainda possuem uma visão restrita sobre a contribuição das TIC para sua prática docente associando-as a uma visão instrumental de tecnologia. Para ir além dessa concepção, as TIC devem ser compreendidas como elementos mediadores da relação entre o sujeito e o mundo, contribuindo para inserção dos alunos da EJA de maneira consciente e crítica na sociedade. Dessa forma, as provocações e esclarecimentos trazidos por essa pesquisa, caminham na direção do estímulo à articulação da formação na EJA com as TIC, já que estas podem representar um dos instrumentos que contribuirão para que sejam construídas formas de garantia do exercício da cidadania e do acesso à produção do conhecimento por esses sujeitos.


Palavras-chave


Tecnologias. Prática pedagógicas. Educação de Jovens e Adultos.

Texto completo:

PDF

Referências


AZEVEDO, J. M. L. O Estado, a política educacional e a regulação do setor educação no Brasil: uma abordagem histórica. In: FERREIRA, N. S. C.; AGUIAR, M. S. (Orgs.) Gestão da educação: Impasses perspectivas e compromissos. São Paulo: Cortez Editora, 2008.

BARDIN, L. Análise de conteúdo. Lisboa: Edições 70, 1977.

BRASIL. Congresso Nacional. Decreto nº 5.840, de 13 de julho de 2006. Institui, no âmbito federal, o Programa Nacional de Integração da Educação Profissional com a Educação Básica na Modalidade de Educação de Jovens e Adultos – PROEJA e dá outras providências. Brasília, 2006.

BRASIL. Ministério da Educação. Secretaria de Educação Profissional e Tecnológica. Programa de Integração da Educação Profissional Técnica de Nível Médio na Modalidade de Educação de Jovens e Adultos – PROEJA. Documento Base. Brasília, 2007.

BRASIL. Ministério da Educação/SECAD. Documento Nacional Preparatório à VI Conferência Internacional de Educação de Adultos (VI CONFINTEA). Brasília: MEC; Goiânia: FUNAPE/UFG, 2009.

BRASIL. Comitê Gestor da Internet no Brasil. Pesquisa sobre o uso das tecnologias de informação e comunicação nos domicílios brasileiros: TIC domicílios 2016. São Paulo: Núcleo de Informação e Coordenação do Ponto BR, 2017.

BRITO, G. S. A inclusão digital do profissional professor: entendendo o conceito de tecnologia. In: ENCONTRO ANUAL DA ANPOCS, 30, 2006, Caxambu. Anais[...]. São Paulo: ANPOCS, 2006.

CANDAU, V. M. Escola, inclusão social e diferenças culturais. In: XVI ENCONTRO NACIONAL DE DIDÁTICA E PRÁTICAS DE ENSINO (ENDIPE), 2012, UNICAMP – Campinas. Anais[…]. Araraquara: Junqueira & Marin Editores, 2012.

CASTELLS, M. A sociedade em rede, v. 1. São Paulo: Paz e Terra, 1999.

COSTA, C. B.; MACHADO, M. M. Políticas públicas e educação de jovens e adultos no Brasil. São Paulo: Ed. Cortez, 2018.

DI PIERRO, M. C.; JOIA, O.; RIBEIRO, V. M.. Visões da Educação de Jovens e Adultos no Brasil. Caderno Cedes, ano XXI, n. 55, nov. 2001, p. 58-77.

FREIRE, P. C. M.; CARNEIRO, M. E. F. Reflexões sobre a Educação de Jovens e Adultos: contradições e possibilidades. Revista Brasileira de Educação Profissional e Tecnológica, v. 1, n. 10, p. 34-43 , 2016.

GIROUX, H. Os professores como intelectuais. Porto Alegre: Artmed, 1997.

GUIMARÃES, R. M. L. Tecnologia na sala de aula: vivências e experiências com a educação de jovens e adultos/EJA. Artefactum - Revista de Estudos em Linguagem e Tecnologia, v. 12, n. 1, p. 01-07, 2016.

HADDAD, S.; DI PIERRO, M. C. Escolarização de jovens e adultos. Revista Brasileira de Educação, São Paulo, n. 14, p. 108-130, maio/ago 2000.

HOBSBAWN, E.J. Sobre história. São Paulo: Companhia das Letras, 1998.

JARDILINO, J. R. L.; ARAÚJO, R. M. B. Educação de jovens e adultos: sujeitos, saberes e práticas. São Paulo: Cortez, 2015.

MARX, K. Manuscritos econômico-filosóficos. São Paulo: Martin Claret, 2001.

OLIVEIRA, E. C.; CEZARINA, K. R. A.; SANTOS, J. S. Sujeitos da Educação de Jovens e Adultos no PROEJA. In: XXIV SIMPÓSIO DE POLÍTICA E ADMINISTRAÇÃO DA EDUCAÇÃO (ANPAE). Universidade Federal do Espírito Santo (UFES), Vitória, ES, 2009 . Disponível em: http://www.anpae.org.br/congressos_antigos/simposio2009/88.pdf. Acesso em: 15 abr.2018.

OLIVEIRA, D.A. Política educacional e a re-estruturação do trabalho docente: reflexões sobre o contexto latino-americano. Revista Educação e Sociedade, Campinas, v.28, n.99, p.355-375, maio/ago. 2007

.

PAIVA, V. História da educação popular no Brasil: educação popular e educação de adultos. 6. ed. São Paulo: Loyola, 2003.

PAULA, A. S.; XAVIER, G. J., RIBEIRO JUNIOR, R. M. Perfil dos sujeitos da educação de Jovens e Adultos no Instituto Federal de Goiás: Implicações Pedagógicas e Curriculares. In: PEREIRA, J.V, CASTRO, M.D.R de; BARBOSA, S.C (orgs). Diálogos sobre Educação de Jovens e Adultos. Campinas, SP: Mercado das Letras, 2017. p. 19-48.

PEIXOTO, J. Relações entre sujeitos sociais e objetos técnicos: uma reflexão necessária para investigar os processos educativos mediados por tecnologias. Revista Brasileira de Educação, v. 20, n. 61, abril-jun, 2015, p. 317-332.

PEIXOTO, J. A Inovação pedagógica como meta dos dispositivos de formação a distância. Eccos- Revista Científica, v. 10, n. 1, p. 39-54, jan/jun 2008.

PEIXOTO, J. Tecnologias e relações pedagógicas: a questão da mediação. Revista Educação Pública, Cuiabá, v. 25, n. 59, p. 367-379, 2016.

POUBEL, C. M. de S.; PINHO, L. G.; CARMO, G. T. do. Uma arena de tensões: a história da EJA ao PROEJA. Cadernos de História da Educação, v. 16, n. 1, p. 125-140, jan./abr. 2017.

REGO, T. C. Vygotsky: uma perspectiva histórico-cultural da educação. Petrópolis, RJ: Vozes, 1995.

SAUNER, N. F. de M. Alfabetização de adultos: a interpretação de textos acompanhados de imagem. Curitiba: Juruá, 2003.

SAVIANI, D. Escola e Democracia. Edição Comemorativa. Campinas: Autores Associados, 2008.

SHIROMA, E. O.; LIMA FILHO, D. L. Trabalho docente na Educação Profissional e Tecnológica e no PROEJA. Educação & Sociedade, Campinas, v. 32, n. 116, v. 32, n. 116, p. 725-743, jul.-set. 2011.

SILVEIRA, S. A. Inclusão digital: a miséria na era da informação. São Paulo: Fundação Perseu Abramo, 2001.

VYGOTSKY, L. S; LURIA, A. R. Estudos sobre a histórica do comportamento – Símios, homem primitivo e crianças. Porto Alegre: Artes Médicas, 1996.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.




A Revista EJA em Debate está indexada ao Livre!, ao SEER, à Sumários de Revistas Brasileiras e ao Periódicos CAPES

ISSN ELETRÔNICO 2317-1839                     ISSN IMPRESSO - 2316-4417

Qualis: B3