OFICINA IN(TER)VENÇÕES: DISCUTINDO VIOLÊNCIAS DE GÊNERO NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS

Jocelito Zalla, Maíra Suertegaray Rossato, Katiuci Pavei

Resumo


Este relato de experiência tem por objetivo apresentar o desenvolvimento de um currículo integrado de Ciências Humanas para a Educação de Jovens e Adultos (EJA) em nível Médio, a partir da temática das relações de gênero. Uma equipe de professores da área ofereceu, no segundo semestre de 2018, uma oficina eletiva para estudantes de EJA do Colégio de Aplicação da UFRGS, chamada “In(ter)venções”. Seu título pretende indicar a metodologia de ensino-aprendizagem adotada: a partir de dados da realidade histórica e social brasileira, submetidos a conceitos de área, tais como “violência de gênero” e “dominação masculina”, promoveram-se discussões coletivas, seguidas da produção de intervenções criativas (invenções) no espaço escolar, a fim de divulgar as descobertas do grupo e promover a discussão na comunidade mais ampla. Os resultados do processo revelam uma tomada de consciência coletiva a respeito de discursos e práticas que engendram discriminação e violência contra mulheres e populações LGBTI.


Palavras-chave


Estudos de gênero, currículo, Educação de Jovens e Adultos

Texto completo:

PDF

Referências


BOURDIEU, Pierre. A Dominação Masculina. Rio de Janeiro: Editora Bertrand Brasil, 2003.

BRASIL, Lei n. 9.394, de 20 de dezembro de 1996. Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional. Brasília, DF, dez. 1996. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/LEIS/l9394.htm. Acesso em: 1 mar. 2018.

BRASIL. Presidência da República. Secretaria Especial de Políticas para as Mulheres. Enfrentando a Violência contra a Mulher. Brasília: Secretaria Especial de Políticas para as Mulheres, 2005.

CATELLI, Roberto Jr; HADDAD, Sérgio; RIBEIRO, Vera Masagão (orgs.). Educação de Jovens e Adultos: insumos, processos e resultados. São Paulo: Ação Educativa, 2014.

CERQUEIRA, Daniel (coord.); LIMA, Renato Sergio de; BUENO, Samira; NEME, Cristina; FERREIRA, Helder; COELHO, Danilo; ALVES, Paloma Palmieri; PINHEIRO, Marina; ASTOLFI, Roberta; MARQUES, David; REIS, Milena; MERIAN, Filipe. Atlas da Violência 2018. São Paulo: Ipea e Fórum Brasileiro de Segurança Pública (FBSP), 2018. Disponível em: http://www.ipea.gov.br/portal/images/stories/PDFs/relatorio_institucional/180604_atlas_da_violencia_2018.pdf. Acesso em: 8 maio 2018.

EGGERT, Edla. Narrar processos: tramas da violência doméstica e possibilidades para a educação. Florianópolis: Editora Mulheres, 2009.

FERRERO, Clara. O vocabulário feminista que todos já deveriam estar dominando em 2017. El País. 12 jul. 2017. (Cultura). Disponível em: https://brasil.elpais.com/brasil/2017/07/10/cultura/1499708850_128936.html. Acesso em: 8 maio 2018.

FELIPE, Jane. Violências contra as mulheres. In: Constantina Xavier Filha (org.) Sexualidades, Gênero e diferenças na educação das infâncias. Campo Grande, MS: Ed. UFSM, 2012. p. 217-226.

NATIRUTS. Quem planta preconceito. Brasília: Raizama Records: 2005.

KOHAN, Marisa. Acabar com ladiscriminación, la forma más eficaz de atajar la violencia de género. Diário Público, 2018. Disponível em: http://especiales.publico.es/es/25n-las-discriminaciones-ocultas/acabar-con-la-discriminacion. Acesso em: 8 maio 2018.

LOURO, Guacira Lopes. Gênero, sexualidade e educação: uma perspectiva pós-estruturalista. Petrópolis, RJ:Vozes, 1997.

LOURO, Guacira Lopes. Currículo, Género e Sexualidade. Portugal: Porto Editora, 2000.

LOURO, Guacira Lopes; FELIPE, Jane; GOELLNER, Silvana Vilodre (orgs.). Corpo, gênero e sexualidade: um debate contemporâneo. Petrópolis, RJ: Vozes, 2003.

LOURO, Guacira Lopes (org.). O Corpo Educado. Belo Horizonte: Autêntica, 2010.

MENDES, Leticia. Infográfico: crescem registros de violência doméstica contra as mulheres no RS. Gaúcha ZH_segurança. 18 maio 2018. Disponível em: https://gauchazh.clicrbs.com.br/seguranca/noticia/2018/05/infografico-crescem-registros-de-violencia-domestica-contra-as-mulheres-no-rs-cjhcfxnhg09me01qols95brgk.html. Acesso em: 20 maio 2018.

NÃO ME KAHLO. Violência de Gênero. Disponível em: http://www.naomekahlo.com/. Acesso em: 8 maio 2018.

SANCHES, Danielle; CONTARATO, Andressa; AZEVEDO, Ana Luísa. Dados públicos sobre violência homofóbica no Brasil: 28 anos de combate ao preconceito. Rio de Janeiro: FGV, DAPP. 2018. Disponível em: http://dapp.fgv.br/dados-publicos-sobre-violencia-homofobica-no-brasil-28-anos-de-combate-ao-preconceito/. Acesso em: 8 maio 2018.

VELASCO, Clara; CAESAR, Gabriela; REIS, Thiago. Cresce o nº de mulheres vítimas de homicídio no Brasil; dados de feminicídio são subnotificados. Monitor da violência. (Núcleo de Estudos da violência da USP. Fórum Brasileiro de Segurança Pública). 2018. Disponível em: https://g1.globo.com/monitor-da-violencia/noticia/cresce-n-de-mulheres-vitimas-de-homicidio-no-brasil-dados-de-feminicidio-sao-subnotificados.ghtml. Acesso em: 8 maio 2018.

WAISELFISZ, Julio Jacobo. Mapa da Violência 2015: Homicídio de mulheres no Brasil. Disponível em: http://www.mapadaviolencia.org.br/mapa2015_mulheres.php. Acesso em: 10 mar. 2018.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.




A Revista EJA em Debate está indexada ao Livre!, ao SEER, à Sumários de Revistas Brasileiras e ao Periódicos CAPES

ISSN ELETRÔNICO 2317-1839                     ISSN IMPRESSO - 2316-4417

Qualis: B3