Mapeamento das matrículas no Brasil em relação à Educação Profissional, à Educação de Jovens e Adultos e à Educação Especial: possibilidades e perspectivas

Graciliana Garcia Leite, Juliane Aparecida de Paula Perez Campos

Resumo


Considerando a inclusão escolar de estudantes público-alvo da Educação Especial (PAEE) no contexto do ensino profissionalizante na Educação de Jovens e Adultos, o presente estudo tem o objetivo de mapear o número de matrículas na respectiva modalidade de ensino, de acordo com cada região brasileira. Os dados foram levantados pela Sinopse Estatística, disponibilizada pelo Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas (INEP), e referem-se ao período de 2012 a 2016. Os resultados indicam que as matrículas dos estudantes PAEE na EJA profissionalizante são pouco significativas. A região Nordeste contém o maior número de matrículas, com crescimento contínuo no período analisado, assim como a região Centro-oeste. Nas regiões Sul, Sudeste e Norte houve oscilação das matrículas. Conclui-se que a meta 10 estabelecida pelo Plano Nacional de Educação ainda está distante de ser alcançada. Além disso, há a necessidade de outros estudos sobre o processo de inclusão dos estudantes PAEE na EJA profissionalizante nas classes regulares.


Palavras-chave


Educação de Jovens e Adultos (EJA). Educação Especial. Educação Profissional. Censo Escolar.

Texto completo:

PDF

Referências


ALMEIDA, Adriana de. Um estudo do e no processo de implantação no estado do Paraná do Proeja: problematizando as causas da evasão. 2009. 116 f. Dissertação (Mestrado em Educação) - Universidade Federal do Paraná, Curitiba, 2009. Disponível em: . Acesso em: 14 mai. 2017.

AZEVEDO, Márcio Adriano de; TAVARES, Andrezza Maria B. do Nascimento. Educação de jovens e adultos e educação profissional no Brasil: caminhos e descaminhos no contexto da diversidade. Holos, ano 31, v. 4, p. 107-118, Ago. 2015. Disponível em: . Acesso em: 22 fev. 2017.

BRASIL. Constituição (1988). Constituição da República Federativa do Brasil. Brasília, DF: Senado Federal, 1998.

BRASIL. Ministério da Educação e Cultura (MEC). Lei nº 9394, 20 de dezembro de 1996. Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional. Brasília, DF, 1996. Disponível em: . Acesso em: 25 jan. 2017.

BRASIL. Ministério da Educação e Cultura (MEC). Conselho Nacional de Educação. Câmara de Educação Básica. Parecer n. 11 de 10 de maio de 2000. Institui as Diretrizes Nacionais para a Educação de Jovens e Adultos. Brasília, 2000. 68 p. Disponível em: . Acesso em: 10 jan. 2017.

BRASIL. Decreto nº. 5.478, de 24 de junho de 2005. Institui no âmbito das instituições federais de educação tecnológica. Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil, Brasília, DF, 2005. (Revogado pelo Decreto nº 5.840 de 2006).

       

BRASIL. Decreto nº. 5.840, de 13 de julho de 2006. Institui o Programa Nacional de Integração da Educação Profissional com a Educação Básica na Modalidade de Educação de Jovens e Adultos – PROEJA, e dá outras providências. Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil, Brasília, DF, 2006. Disponível em: . Acesso em: 25 jan. 2017. 

BRASIL. Ministério da Educação e Cultura (MEC). Secretaria da Educação Especial. Política Nacional de Educação Especial, na perspectiva da Educação Inclusiva. Brasília: MEC/SEESP, 2008. Disponível em: . Acesso em: 01 fev. 2017.

BRASIL. Lei n.13.005, de 25 de junho de 2014. Aprova o Plano Nacional de Educação – PNE e dá outras providências. Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil, Brasília, DF. 26 jun. 2014. [Edição extra – seção 1].

BRASIL. Estatuto da pessoa com deficiência. Lei Brasileira de Inclusão nº 13.146 de 6 de julho de 2015. Presidência da República, Brasília, 2015.

BREGONCI, Aline de Menezes. Estudantes surdos no Proeja: o que nos contam as narrativas sobre os seus percursos. 2012. 178 f. Dissertação (Mestrado) - Curso de Programa de Pós-graduação em Educação, Centro de Educação, da Universidade Federal do Espírito Santo, Universidade Federal do Espírito Santo, Vitória, 2012. Disponível em: . Acesso em: 22 fev. 2017.

DI PIERRO, M. C.; HADDAD, S. Transformações nas políticas de educação de jovens e adultos no Brasil no início do terceiro milênio: uma análise das agendas nacional e internacional. Caderno Cedes, Campinas, v. 35, n. 96, p. 197-217, maio-ago. 2015. Disponível em: . Acesso: 13 de mai. de 2017.

GOUVEIA, Fernanda Paixão de Souza. Caminhos e descaminhos da implantação da educação de jovens e adultos no Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio de Janeiro. 2011. 180 f. Dissertação (Mestrado em Educação) - Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro, Nova Iguaçu, 2011.

HAAS, C. Educação de jovens e adultos e educação especial: a (re)invenção da articulação necessária entre as áreas. Revista Educação, Santa Maria, v. 40, n. 2, p. 347-360, maio/ago. 2015. Disponível em: . Acesso em: 01 mar. 2017.

INSTITUTO NACIONAL DE PESQUISAS EDUCACIONAIS ANÍSIO TEIXEIRA. Ministério da Educação (INEP). Sinopse Estatística da Educação Básica 2012. Brasília: INEP, 2016. Disponível em: . Acesso em: 17 jan. 2017.

INSTITUTO NACIONAL DE PESQUISAS EDUCACIONAIS ANÍSIO TEIXEIRA. Ministério da Educação (INEP). Sinopse Estatística da Educação Básica 2013. Brasília: INEP, 2016. Disponível em: < http://portal.inep.gov.br/web/guest/sinopses-estatisticas-da-educacao-basica >. Acesso em: 17 jan. 2017.

INSTITUTO NACIONAL DE PESQUISAS EDUCACIONAIS ANÍSIO TEIXEIRA. Ministério da Educação (INEP). Sinopse Estatística da Educação Básica 2014. Brasília: INEP, 2016. Disponível em: < http://portal.inep.gov.br/web/guest/sinopses-estatisticas-da-educacao-basica >. Acesso em: 17 jan. 2017.

INSTITUTO NACIONAL DE PESQUISAS EDUCACIONAIS ANÍSIO TEIXEIRA. Ministério da Educação (INEP). Sinopse Estatística da Educação Básica 2015. Brasília: INEP, 2016. Disponível em: < http://portal.inep.gov.br/web/guest/sinopses-estatisticas-da-educacao-basica >. Acesso em: 17 jan. 2017.

INSTITUTO NACIONAL DE PESQUISAS EDUCACIONAIS ANÍSIO TEIXEIRA. Ministério da Educação (INEP). Sinopse Estatística da Educação Básica 2016. Brasília: INEP, 2016. Disponível em: < http://portal.inep.gov.br/web/guest/sinopses-estatisticas-da-educacao-basica >. Acesso em: 12 mai. 2017.

IVO, Andressa Aita; HYPOLITO, Álvaro Moreira. Educação profissional e PROEJA: processos de adesão e resistência à implantação de uma experiência. Educ. rev., Belo Horizonte, v. 28, n. 3, p. 125-142, set.  2012.   Disponível em: . Acesso em: 22 fev.  2017.

LAPLANE, A. L. F. Condições para o ingresso e permanência de alunos com deficiência na escola. Cad. Cedes, Campinas, v. 34, n. 93, p. 191-205, mai. 2014. Disponível em: . Acesso em: 19 de mar. 2016.

MALLMANN, Fagner Michel et al. A inclusão do aluno surdo no ensino médio e ensino profissionalizante: um olhar para os discursos dos educadores. Rev. bras. educ. espec., Marília, v. 20, n. 1, p. 131-146, mar. 2014. Disponível em: . Acesso em: 23 fev. 2017.

MOLL, Jaqueline. Proeja e democratização da educação básica. In: MOLL, Jaqueline et al. Educação profissional e tecnológica no Brasil contemporâneo: desafios, tensões e possibilidades. Porto Alegre: Artmed, 2010.

SANTOS, Roberto Sérgio Barbosa dos; SILVA, Francisca Lêda da. Currículo integrado na Eja – desafios e possibilidades. In: SEMINÁRIO NACIONAL SOBRE FORMAÇÃO DE EDUCADORES DA EJA, 5., Campinas, 2015. Anais... Campinas, 2015. p. 1-14. Disponível em: . Acesso em: 22 fev. 2017.

SÁ-SILVA, J. R.; ALMEIDA, C. D.; GUINDANI, J. F. Pesquisa documental: pistas teóricas e metodológicas. Revista Brasileira de História & Ciências Sociais, São Leopoldo, v. 1, n. 1, p. 1-15, 2009.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.




A Revista EJA em Debate está indexada ao Livre!, ao SEER, à Sumários de Revistas Brasileiras e ao Periódicos CAPES

ISSN ELETRÔNICO 2317-1839                     ISSN IMPRESSO - 2316-4417

Qualis: B3